Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. O dia em que o Cabral foi pelos ares

tragédia curitibana

O dia em que o Cabral foi pelos ares

Explosão de um caminhão com dinamite em setembro de 1976 matou duas pessoas, feriu 80 e deixou um rastro de destruição

  • Lucas Gabriel Marins, especial para a Gazeta do Povo
A explosão desintegrou o caminhão que transportava 1,5 tonelada de dinamite. Uma bola de fogo tomou conta da Rua São Luiz |
A explosão desintegrou o caminhão que transportava 1,5 tonelada de dinamite. Uma bola de fogo tomou conta da Rua São Luiz
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O dia em que o Cabral foi pelos ares

Por volta das 16h15 um homem de estatura mediana entra correndo na loja de roupas da empresária Lieselotte Gunther, no bairro Cabral, em Curitiba, e grita: “Preciso usar seu telefone para ligar para os bombeiros. Meu caminhão, lotado de dinamite, está pegando fogo”. A data era 2 de setembro de 1976. O veículo, parado a cerca de 50 metros do estabelecimento, explode minutos depois. “Escutei um barulho ensurdecedor e vi um ‘cogumelo de chamas’. Assustada, fechei os olhos. Quando abri, todas as roupas estavam caídas e os vidros estavam quebrados. Foi terrível”, relata Lieslotte.

A explosão abriu uma cratera de quatro metros de diâmetro por dois de profundidade na Rua São Luiz, nas proximidades da Avenida Anita Garibaldi. Além da loja, outras 90 casas, localizadas nas quadras ao redor, foram afetadas. Havia vidro e madeira por todo lado. Uma das portas do Mercedes-Benz foi encontrada presa no fio de luz, a três quadras do local do acidente. O motor foi parar em cima do antigo prédio da Telepar, que tem pouco mais de 20 metros de altura. Os vidros da antiga fábrica de bolachas Lucinda, localizada na Rua Belém, ficaram despedaçados. A empresa teve de fechar suas portas por cinco dias.

Donato Sanchuk Taborda, o rapaz que entrou correndo na loja de Lieselotte, havia saído do município de Colombo com o caminhão carregado com 1,5 mil quilos de dinamite e 600 quilos de cola, um produto inflamável. No veículo da empresa Expresso Catarinense Transportadora havia outros dois ajudantes. Quando o caminhão pegou fogo – causado, segundo as autoridades, pela cola aquecida pela fumaça do escapamento –, eles desceram e tentaram avisar aos moradores da região sobre a possível catástrofe que estava prestes a ocorrer.

Será um avião?

O jornalista Ney Hamilton, na época com 15 anos de idade, era estagiário do antigo Instituto de Biologia e Pesquisas Tecnológicas (IBPT), localizado a algumas quadras do local da explosão. Assim que ouviu o estouro, saiu correndo em direção à fumaça que se avistava de longe. “Pensei, logo após ouvir o barulho, que um avião tinha caído”, conta.

Quando chegou ao local, hoje ocupado por prédios residenciais, encontrou uma cena de destruição. A primeira coisa que viu foi um sujeito caído, morto, no chão. Ao lado dele, havia uma pasta com o número 007. “O curioso é que havia também muitos passarinhos sem vida. Eles estavam espalhados por todos os lados”, relata. Hamilton e os vários outros curiosos que chegavam a todo o momento demoraram a entender o que realmente tinha acontecido.

Destroços

Duas pessoas morreram atingidas por destroços do caminhão: o agente penitenciário João Mateus dos Santos e o motorista Irani Oliveira da Silva, do Hospital Veterinário São Bernardo. Silva, ao ver o caminhão pegando fogo, tentou apagar as chamas. Com a explosão, foi arremessado para longe e atingido por um pedaço de ferro. Os cerca de 80 feridos foram levados para o Hospital de Clínicas e para o Hospital São Lucas. Já os desabrigados, com ajuda da Igreja da Mercês, foram encaminhados ao Ginásio do Clube Atlético Paranaense. Havia ambulâncias cedidas pelo antigo Instituto Nacional de Previdência Social (INPS).

A explosão foi ouvida a quilômetros de distância. A multidão, curiosa, tomou conta do local. Um pipoqueiro que se instalou na região contou à Gazeta do Povo, na época dos fatos, que em meia-hora vendeu cerca de cem pacotinhos de pipoca.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE