i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Protesto

ONG pressiona decisão na Justiça para que PM registre uso da força em atos

  • PorFolhapress
  • 08/01/2015 14:18

A ONG Artigo 19 protocolou nesta quarta (7) na Justiça paulista um pedido reforçando que o Judiciário julgue a ação enviada pela Defensoria Pública do Estado em abril de 2014, que pede que a Polícia Militar apresente um protocolo de uso da força em manifestações.

O pedido, conhecido como amicus curiae (espécie de parecer jurídico), foi protocolado junto à 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

A ação civil pública pede ainda a responsabilização do Governo do Estado pelas violações cometidas contra manifestantes ao longo dos protestos nos últimos anos.A medida acontece um dia após a PM afirmar que pretende usar a técnica de "envelopamento" para cercar os manifestantes durante o ato contra aumento da tarifa em São Paulo, marcado para esta sexta (9).

"Para prevenir abusos policiais e o cerceamento da liberdade de manifestação nos protestos faz-se necessário a elaboração de um protocolo que respeite os direitos humanos e que garanta que o uso da força somente possa ser empregado quando necessário e de forma proporcional para garantir que a manifestação continue ocorrendo de forma segura para todos", afirma Camila Marques, advogada da ONG.

Referindo-se especificamente ao caso de São Paulo, a ONG aponta a ausência de um protocolo que esteja de acordo com a Constituição Federal e os demais tratados internacionais que protegem a livre manifestação.

"Tal situação se deve, sobretudo, ante a ausência de protocolos de atuação da Polícia Militar do Estado de São Paulo que respeitem os direitos humanos e os direitos fundamentais constitucionalmente garantidos durante as manifestações", afirma um trecho do amicus curiae.

AÇÃO CIVILA Defensoria entrou com a ação civil pública em abril de 2014, solicitando que a PM apresentasse o protocolo de uso da força antes de um protesto.

Liminar expedida no dia 3 de novembro pelo juiz José Gomes Jardim Neto da 10ª Vara da Fazenda Pública do Fórum Central de SP determinou que a PM teria 30 dias para apresentar um plano.

Contudo, a liminar foi derrubada 72 horas depois pelo desembargador Ronaldo Andrade da 3ª Câmara de Direito Público do TJ-SP, e aguarda para ser julgada desde então.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.