i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
falência

Operadora de turismo anuncia falência pelo Facebook e deixa clientes na mão

Nota foi publicada neste sábado (26) . Empresa vendia pacotes até a antevéspera do Natal

  • PorBruna Covacci
  • 26/12/2015 17:08
Agência anunciou encerramento das atividades em sua página nas  redes sociais. | Reprodução/Facebook
Agência anunciou encerramento das atividades em sua página nas redes sociais.| Foto: Reprodução/Facebook

A operadora de turismo Interlaken, que tem três agências em Curitiba (duas delas em shoppings da capital), anunciou na manhã de sábado (26), pelo Facebook, o encerramento das suas atividades. “Após 30 anos de serviços prestados ao segmento de turismo, infelizmente encerramos as nossas atividades em função da crise econômica. Lamentamos muito o ocorrido e faremos o possível para sanar individualmente os danos causados a cada um dos clientes”, dizia o comunicado publicado na rede social.

O aviso,feito logo após o feriado de Natal, foi seguido de uma série de comentários de clientes que descobriram que os pacotes já pagos para fim de ano e férias de verão não estão confirmados.

Um dos clientes da agência que entrou em contato com a Gazeta do Povo contou que comprou um pacote por R$ 9 mil para seis pessoas para Foz do Iguaçu, onde passariam a virada do ano. Ele pagou R$ 3 mil de entrada e parcelou o restante. “Está quase todo pago, só faltam R$ 1.400”, explicou. Agora, ele vai tentar sustar os dois últimos cheques que faltam. Segundo ele, a diretora da agência, que ligou neste sábado (26), disse que as passagens aéreas estão pagas, mas o hotel (Nadai) ainda não, e se eles chegassem lá teriam que pagar.

Outra cliente, que não quer ser identificada, chegou a entrar em contato com a TAM para verificar como estavam as suas passagens. “Estavam canceladas desde o dia 15 de outubro por falta de pagamento”, disse. Além disso, ela relata que a viagem foi fechada em etapas, inclusive, hotel e carro foram vistos depois do mês de outubro. “Estava num grupo de mensagens em que eles disparavam promoções. Quando fui mandar mensagem lá vi que o grupo foi excluído”, contou. Alguns clientes já tiveram resposta da própria agência que afirma “não poder ressarcir financeiramente”.

Até o dia 24 deste mês a operadora continuava oferecendo pacotes. Agora, até o site está fora do ar. Os próprios clientes lesados montaram grupos no Whatsapp (como o limite é de 100 pessoas, são dois grupos com 100. Ao todo, 200 clientes estão conversando) para se mobilizar em prol dos seus direitos. O plano é fazer denúncia de estelionato na segunda-feira (28) e também procurar o Procon. O advogado da empresa Rafael Nunes informou que a Interlaken, aos poucos, vai entrar em contato com os clientes para tentar reaver a situação.

O que fazer se você foi lesado:

Todos os consumidores que compraram passagens, pacotes, passeios, devem:

1- Solicitar um posicionamento formal (por escrito) da agência de turismo acerca dos serviços contratados.

É possível que parte da viagem esteja quitada. Exemplo: as passagens aéreas podem ter sido regularmente emitidas.

2- Além do contato com agência, é primordial entrar em contato diretamente com o hotel, companhia aérea e demais fornecedores de passeios para averiguar o que efetivamente foi emitido e pago. É importante que isso seja confirmado por escrito para evitar futuros transtornos.

3- Caso a passagem tenha sido emitida, é possível pedir reembolso perante a companhia aérea. É importante informar a justa causa (suposta falência da agência de turismo contratada) para que o consumidor não seja punido com multas de cancelamento.

4- Os consumidores lesados devem registrar a reclamação no Procon-Pr e no Ministério Público.

5- Além disso, devem procurar um(a) advogado(a) para ajuizar ação judicial com o objetivo de obterem o ressarcimento da quantia paga, acrescida de juros e correção monetária e, dependendo do caso, danos morais.

Fonte: Luciana Pedroso Xavier, vice-presidente da Comissão de Direitos do Consumidor da OAB/PR.

Ação

Dentro dos grupos do WhatsApp, os advogados Mariana Probst Bogus e Paulo Roberto Nascimento tomaram a frente para ajudar. Eles pretendem reunir outros clientes da operadora para tomar providências. Na segunda-feira (28), eles têm um encontro marcado em frente a uma das sedes da Interlaken e, depois disso, irão à Delegacia de Proteção ao Consumidor e Delegacia de Estelionato, já que, segundo Mariana, é possível perceber elementos criminais no caso. Há também o interesse de procurar o Ministério Público e o Procon.

Segundo a advogada, depois do primeiro contato é possível que cada um veja como quer agir individualmente. “Também vamos verificar a suposta questão da falência, já que ainda não há comprovação oficial da mesma. O caso apenas foi afirmado pela proprietária”, disse. Pelos relatos do grupo de conversas já é possível contabilizar um prejuízo próximo a R$ 1 milhão de reais.

É indicado que sejam impressas todas as provas das transações com a Interlaken Turismo: desde conversas no celular, transferências bancárias, boletos, extratos do cartão de crédito ou vouchers do cartão de crédito. “Qualquer documento que comprove a compra dos serviços é útil”, finaliza Bogus.

Orientações

O professor de Direito do Consumidor da Unicuritiba Eros Cordeiro explica que o primeiro passo para reaver o dinheiro perdido é fazer uma reclamação no Procon e um registro da ocorrência. Segundo ele, é importante alertar que eles precisam ter a reclamação registrada por escrito. Uma dica é montar uma associação para fazer uma ação coletiva. “Isso só pode ser feito, no entanto, assim que eles tiverem em mãos um título judicial. O que eles têm é um crédito judicial de contrato. Mas se a ação for coletiva pode facilitar”, explica. Uma alternativa, diz Cordeiro, é a buscar auxílio do Ministério Público para que e possa se investigar a situação e apontar se houve alguma fraude no processo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.