i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ribeirão Preto

Padrasto e mãe de Joaquim são denunciados à Justiça

Para a polícia e a Promotoria, o padrasto matou a criança dentro da casa da família, no Jardim Independência, com uma superdosagem de insulina

  • PorFolhapress
  • 02/01/2014 13:58

O promotor Marcus Tulio Alves Nicolino entrega nesta quinta-feira (3) à Justiça a denúncia contra o padrasto e a mãe do menino Joaquim Ponte Marques, 3, de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo), morto em novembro do ano passado.

O técnico em informática Guilherme Raymo Longo, 28, foi denunciado por homicídio triplamente qualificado. Para a polícia e a Promotoria, Longo matou a criança dentro da casa da família, no Jardim Independência, com uma superdosagem de insulina.

Depois, segundo a denúncia, jogou o corpo no córrego Tanquinho, localizado a cerca de 200 metros de distância.

O córrego deságua no ribeirão Preto, que é afluente do rio Pardo, onde o corpo de Joaquim foi encontrado cinco dias depois de a família ter comunicado o seu desaparecimento a polícia.

Já a psicóloga Natália Mingoni Ponte, 29, foi denunciada por omissão.

Para o promotor, embora a mãe não tenha participado do crime, ela foi omissa enquanto morava com Longo porque sabia de seu comportamento agressivo e do ciúme que ele tinha da criança, por ser filho de um relacionamento anterior.

A Promotoria também pede que ambos fiquem presos preventivamente até o julgamento da ação.

Hoje, Longo está preso temporariamente na Delegacia Seccional de Barretos (423 km de São Paulo) e, caso a prisão preventiva seja decretada, deverá ser transferido para um CDP (Centro de Detenção Provisório). A prisão temporária vence no próximo dia 10.

Já Natália ficou presa temporariamente por um mês na cadeia pública de Franca (400 km de São Paulo) e foi liberada por um habeas corpus após pedido feito por um advogado de São Paulo, Francisco Ângelo Carbone Sobrinho, que não a defende. Atualmente ela mora com a família na região de Ribeirão.

A expectativa da Promotoria é que haja uma decisão da Justiça até amanhã.

Outro lado

Cássio Alberto Gomes Ferreira, advogado de Natália, afirmou que não poderia dar declarações sobre a denúncia porque não houve notificação da Justiça e também não conversou com a mãe de Joaquim.

Já Antônio Carlos de Oliveira, advogado de Longo, não foi encontrado.

Ele, no entanto, afirmou anteriormente que não há provas contra seu cliente e apontou supostas falhas na investigação da polícia de Ribeirão.

A falta de perícia nos sapatos do padrasto, a ausência de contraprova em um exame com o cão farejador da Polícia Militar e a falta de precisão na data da morte do garoto são citados por ele como falhas policiais.

Para o delegado Paulo Henrique Martins de Castro, a culpa de Longo é provada pela investigação, testemunhos e perícias. "Não existe isso de menino desaparecer com portão trancado e gente em casa", afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.