Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Lívia participou dos atos de junho: pouca coisa mudou, diz | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Lívia participou dos atos de junho: pouca coisa mudou, diz| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Violência é o que mais depõe contra os atos

A pesquisa também quis saber a percepção dos entrevistados sobre a violência nos protestos e a atuação dos black blocs, movimento que usa a tática do confronto urbano e que ganhou evidência no país nos protestos de junho. A grande maioria (76%) disse desconhecer o grupo. Entre os 24% que conheciam, 19% afirmaram não apoiar a forma de atuação dos "mascarados" contra os 3% que são favoráveis.

De fato, a violência dos black blocs, bem como a dos policiais, é apontada por 13% dos 18% que desaprovam o protesto como a principal razão para discordarem das jornadas de junho. "A violência dos manifestantes acabou com os protestos no Brasil e jogou a favor dos governantes", diz Murilo Hidalgo, da Paraná Pesquisas. O cientista político Fabricio Tomio completa: "A maior parte das pessoas adere ao sentimento de indignação, mas não deseja algo que impacte de forma negativa nas suas vidas, como a violência e a destruição de estruturas públicas ou privadas".

Dúvida

Novas manifestações na Copa dividem opiniões

Embora a aprovação dos protestos seja a regra na pesquisa, na maioria das avaliações sobre o episódio, as opiniões se dividem quanto a repetir o feito durante a Copa do Mundo de 2014 – 47% apoiaria um novo protesto no Mundial, mas a mesma porcentagem desaprovaria. Para Murilo Hidalgo, do Instituto Paraná Pesquisas, o que divide a população é a mesma razão: "Os que não querem protestos na Copa temem que o Brasil passe uma vergonha internacional. Os que querem os protestos, desejam esse constrangimento internacional para fazer os políticos cederem rapidamente." O fato de boa parte da população ser favorável, entretanto, sugere que os protestos voltem durante o Mundial, segundo ele.

Por fim, o tom de futuras manifestações é que vai determinar sua eficácia e sua permanência. "Se tivermos protestos pacíficos por parte da população, as pessoas ficarão nas ruas o ano inteiro se for preciso. Se houver violência, no dia seguinte todos estarão contra as manifestações de novo", acredita.

Seis meses depois dos protestos que mexeram com a percepção política do país, os brasileiros ainda aprovam as manifestações que, segundo eles, trouxeram mudanças visíveis para o Brasil. Levantamento feito em 158 municípios brasileiros pelo Instituto Paraná Pesquisas, entre os dias 3 e 7 de dezembro, revela que as jornadas de junho – como ficaram conhecidos os protestos que tomaram contas das ruas do país – mudaram algo para 45% dos entrevistados. A aprovação é grande, embora nem todos tenham tomado parte no processo.

Dos 2.250 brasileiros maiores de 16 anos que responderam à pesquisa, apenas 15,5% participaram dos atos, mas 79% aprovam as movimentações populares. "A maior parte das pessoas foi simpática, mesmo sem participar. Mesmo que houvesse pautas específicas, mais ou menos extremadas, a pauta geral era: ‘queremos um mundo melhor’. Isso contribuiu para a boa impressão dos protestos", analisa o cientista político da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Fabricio Tomio.

INFOGRÁFICO: Veja a pesquisa completa

A redução ou o congelamento da tarifa do transporte urbano é vista, na opinião dos analistas, como uma das principais razões para a percepção de mudança no país graças às jornadas. "Não é descabida a percepção de que teve uma mudança. Para as pessoas, houve uma relação de causa e efeito entre o protesto e a redução da tarifa. E o resto das demandas não são avaliáveis a curto prazo, mas o preço da passagem é uma alteração imediata na vida delas", diz Tomio.

Corrupção

A principal motivação enxergada pelos entrevistados para a insatisfação popular é a corrupção do país, apontada por 33%. Já o motivo original dos protestos, o transporte coletivo, ficou em segundo lugar, com perto de 23%, seguido pela Copa do Mundo (20%) e pela situação econômica do país (16%). Entretanto, na avaliação do diretor do Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, a questão dos transportes foi o que houve de mais concreto nas reivindicações. "Foi uma insatisfação geral, mas enquanto não baixou a tarifa, ninguém sossegou. O ganho nessa área foi muito claro".

Atos minguaram por falta de foco, diz manifestante

A empresária Lívia Farah diz acreditar que a falta de foco, combinada com o recrudescimento da violência, minguou as manifestações – embora a violência policial tenha sido também um motivador para a indignação popular, atesta. Ela participou dos primeiros atos na capital contra a tarifa do transporte público. Lívia diz que apoia as manifestações e afirma que elas trouxeram mudanças, mas muito poucas dada a magnitude das passeatas. "Se a gente não tem um foco, o protesto vira uma aglomeração de pessoas cantando o Hino Nacional na rua. É preciso saber o que pedir."

Para Lívia, o maior ganho das jornadas foi a percepção da importância da coletividade pela maior parte das pessoas. "Foi um despertar da população que nunca havia se envolvido com nada. As pessoas viram que são realmente necessárias."

Dê sua opinião

Você acha que o Brasil mudou após os protestos de junho? O que precisa mudar? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]