i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
SEGURANÇA

Paraná tem 3.º ataque a ônibus em menos de uma semana

Incêndio ocorreu um dia após a transferência de presos. Polícia investiga ligação com atentados a agentes prisionais e rebeliões

  • PorFábio Calsavara e Diego Ribeiro
  • 21/03/2013 21:09
Três jovens jogaram gasolina em veículo, durante a manhã | Roberto Custódio/Gazeta do Povo
Três jovens jogaram gasolina em veículo, durante a manhã| Foto: Roberto Custódio/Gazeta do Povo

Um dia depois de o Paraná transferir 38 presos de uma facção criminosa para presídios federais, Londrina registrou mais um caso de incêndio a ônibus. Foi o terceiro ataque a coletivo registrado no estado em menos de uma semana: dois em Londrina e um em Arapongas. Uma série de eventos suspeitos, entre eles rebeliões, assassinatos de agentes penitenciários e incêndios, tem sido investigada por um grupo de trabalho formado por policiais estaduais e federais. Eles monitoram a ação de uma facção criminosa que atua dentro dos presídios do país. O governo, porém, nega que haja ligações entre os fatos.

O atentado em Londrina ocorreu na Rua Sidrak Silva Filho, no Jardim Santiago, na zona norte, por volta das 10h30. O bairro é o mesmo onde dois jovens morreram em confronto com a Polícia Militar (PM), na noite de quarta-feira.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, três rapazes, todos aparentando ter mais de 18 anos, abordaram o motorista e mandaram ele e os passageiros descerem do veículo. Depois, espalharam gasolina pelos bancos, atearam fogo e fugiram a pé. O motorista voltou para dentro do veículo e apagou o fogo com o extintor, impedindo que as chamas se alastrassem até a chegada dos bombeiros. Ninguém ficou ferido.

Estratégia

Para Eduardo Guerini, cientista político e professor no mestrado em Gestão de Políticas Públicas da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), os eventos ocorridos no Paraná são parecidos com os que ocorreram com os catarinenses e não serão resolvidos apenas com transferências de presos. "Na prática, em Santa Catarina isso não resolveu o problema. O sistema todo está em crise."

Na opinião de Guerini, as transferências acabam difundindo as ações, levando o problema para outros estados. "Eles [os detentos] acabam se rearticulando e montando uma facção em cada complexo prisional. O estado precisa recuperar sua capacidade de gestão a médio e longo prazo na área prisional."

O coordenador do curso de pós-graduação em Segurança Pública da Universidade Tuiuti do Paraná, o delegado federal Algacir Mikaloviski, acredita que, por enquanto, a estratégia adotada pelo Paraná tem sido a mais apropriada.

"Os criminoso estão sendo desmobilizados nos eventuais focos do problema", afirma. Mikaloviski lembra ainda que, nos presídios federais, os presos ficam isolados e a comunicação é muito restrita.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.