i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Etnias

Passado nem tão bem tratado

A julgar pelos ensinamentos dos antepassados, os velhinhos de hoje deveriam ter lugar de honra nos lares brasileiros

  • PorAnna Paula Franco
  • [16/02/2011] [21:03]

As raízes culturais do brasileiro garantem bagagem suficiente para que idosos sejam tratados de forma digna e respeitosa. Negros, índios, europeus, árabes e orientais, responsáveis por grande parte da miscigenação da população do país, veem em seus velhos oráculos de sabedoria e, culturalmente, dedicam a eles todas as honras.

Mas, na sociedade contemporânea, de maneira geral, o idoso não goza do mesmo prestígio. Um estatuto precisa garantir os direitos dos maiores de 60 anos, nem sempre respeitados pela família ou pelo próprio poder público. Abandono, violência, previdência precária, falta de assistência médica de qualidade e mesmo desrespeito dentro de casa são situações comuns. "A forma como idosos são tratados depende da estrutura familiar, do Estado, da demografia e até de aspectos econômicos", aponta o historiador Sérgio Nadalin.

A transição demográfica que o mundo viveu a partir da segunda metade do século 18 – e que no Brasil ficou mais evidente nos últimos anos – pode ser uma das explicações para essa mudança no comportamento das famílias e da sociedade em relação aos idosos. "Antes, o velho era considerado um sobrevivente. E tinha o olhar de admiração dos mais jovens justamente por isso. A longevidade e a queda da fecundidade mudaram o cenário demográfico. Ficar velho é comum. E ainda gera custos para o sistema, tanto médico como previdenciário", aponta.

A mudança do perfil social, hoje mais capitalista e baseado no individualismo, também afetou as relações familiares. "Hoje em dia tudo é imediato. A sociedade, em geral, não sabe o que fazer com algo não produtivo e que demanda tempo, como a infância e a velhice. São períodos que custam a passar e que, por isso mesmo, exigem mais atenção e investimento", observa a antropóloga Selma Batista. Para a professora, há muito descaso em relação à vida de maneira geral, nas duas extremidades. "Jovens morrem pela violência, crianças e idosos são tidos como empecilhos. Ninguém pensa na contribuição que aquele cidadão deu para a história, qual foi a sua trajetória de vida. O que vale hoje é a informação imediata, instantânea. Precisamos definir qual sabedoria queremos preservar."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.