i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Migração

Pingüins moram em cobertura no Rio

  • PorAgência Estado
  • 22/09/2008 21:01

Rio de Janeiro - À frente da S.O.S. Aves, a presidente da organização não-governamental, Lúcia Estrela, e a diretora, Cecília Breves, brincam que poderiam lançar o movimento Patagônia Nunca Mais. Isso porque Cecília hospeda atualmente três pingüins na varanda de sua cobertura, no Humaitá (zona sul do Rio), e diz não conseguir pensar em ficar longe da fêmea Tutuca e dos machos Pit e Coronel.

Neste ano, em que o Rio registrou recorde de cerca de 2 mil pingüins encontrados na orla (a maior parte deles morta), Cecília chegou a cuidar de 11 aves – uma delas morreu. Os três que ainda estão em sua varanda se deleitam em uma piscina de frente para o Cristo Redentor. Eles devem partir com outros 100 sobreviventes que estão no Zôo de Niterói em outubro, a bordo do navio Ary Rongel, da Marinha do Brasil. Serão lançados ao mar para seguir no movimento migratório de volta ao sul.

"A gente se apega a eles, não tem jeito. Fico muito preocupada que morram na boca de alguma orca ou foca. Mas tenho consciência de que não são animais domésticos e que não é possível para qualquer um cuidar deles em casa", diz a veterinária Raquel Veloso. "Mas o cocô deles é corrosivo e estraga o chão, eles bicam e não são domesticáveis", reconhece ela.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.