Outdoor pede a duplicação do trecho da BR-277, no Oeste do estado: p opulação apontou a obra na rodovia como a prioridade para o desenvolvimento da região | Christian Rizzi/Gazeta do Povo
Outdoor pede a duplicação do trecho da BR-277, no Oeste do estado: p opulação apontou a obra na rodovia como a prioridade para o desenvolvimento da região| Foto: Christian Rizzi/Gazeta do Povo

Corpus Christi

Feriado com 18 óbitos nas rodovias do PR

Fernanda Leitóles

Dezoito pessoas morreram nas rodovias federais e estaduais que cortam o Paraná durante o feriado de Corpus Christi. Foram 11 mortes nas rodovias federais, número 120% maior do que o registrado no feriado do ano passado, quando cinco pessoas morreram. O balanço foi divulgado ontem pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

As 11 mortes foram registradas em nove acidentes, cinco delas em atropelamentos. Segundo a PRF, a maioria dos atropelamentos ocorreu em trechos urbanos das rodovias. Além das mortes, houve aumento do número de acidentes e também do número de feridos. Os acidentes passaram de 187 no feriado de 2009 para 291 neste ano (aumento de 55,6%). Já o número de feridos subiu de 115, em 2009, para 136 nesse feriado (crescimento de 18,2%).

A PRF informou que aumentou o flagrante de motoristas alcoolizados. O número de multas por infração à lei seca subiu de 24 para 65 (crescimento de 170%). Já o total de prisões aumentou de 17 para 35. Segundo a PRF, 70% dos motoristas autuados em 2009 foram presos e em 2010 esse número caiu para 50%. "Mais motoristas foram flagrados dirigindo alcoolizados, mas a quantidade de bebida ingerida foi menor. Alguns condutores se esquecem que a ingestão de uma pequena quantidade de bebida alcoólica é suficiente para alterar os reflexos", afirmou o inspetor Fabiano Moreno, do núcleo de comunicação da PRF.

Quedas

Nas rodovias estaduais, o feriado de Corpus Christi foi menos violento do que no ano anterior, segundo o balanço da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) divulgado ontem. O número de mortes caiu de 19 em 2009 para sete em 2010 (redução de 63,1%). O número de acidentes aumentou de 117 para 186 (crescimento de 58,9%) e o número de feridos subiu de 87 para 134 (alta de 54%).

  • Veja as estatísticas da estrada

Foz do Iguaçu - O número de mortes no trecho de pista simples da BR-277, entre Medianeira e Santa Tereza do Oeste, no Oeste do estado, já é quase quatro vezes maior neste ano do que no trajeto de pista duplicada, entre Foz do Iguaçu e Medianeira. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), desde janeiro morreram 30 pes­­soas na pista simples de 70 quilômetros, ou seja, um índice de 0,42 mortes a cada quilômetro. No outro trecho, de 57 quilômetros, sete pessoas perderam a vida – 0,12 mortes por quilômetro.

Inconformada com a pista simples em uma rodovia que é considerada um corredor turístico e de escoamento de grãos, a sociedade civil se organizou e lançou ontem, na Associação Comer­cial e Industrial de Foz do Iguaçu (Acifi), a campanha "Não Compli­ca! Duplica!" O objetivo é sensibilizar a população e o governo do estado e pedir a duplicação do trecho de 70 quilômetros de pista simples. A iniciativa surgiu a partir do projeto Atitude Foz, da RPCTV Cata­ratas, realizado em parceria com o Instituto Ethos de Pes­quisa Aplicada. Por meio do projeto, a população local escolheu a duplicação da BR-277 como tema prioritário para o desenvolvimento da região.

Para o presidente da Coor­de­nadoria de Associações Comer­ciais e Empresariais do Oeste do Paraná (Caciopar), Khaled Nakka, apesar de existir uma intenção do governo do estado e da Ecoca­taratas, concessionária de pedágio do trecho, de duplicar inicialmente um trajeto entre Me­­dianeira e Matelândia, ainda é preciso mobilização. "Nós não queremos esta duplicação a qualquer preço. Queremos sim que ela aconteça, mas também queremos saber como vai acontecer, como vai ser paga", diz Nakka. Na primeira fase da campanha serão veiculados anúncios e mensagens sobre o tema em jornais, sites e emissoras de rádio e televisão. No ano passado, o comitê pró-duplicação fixou 19 outdoors ao longo da BR-277 para pedir a duplicação.

Projeto

A Ecocataratas informou ontem, por meio de nota, que concluiu e apresentou em maio ao De­­par­tamento de Estradas de Rodagem (DER) a primeira etapa do projeto de duplicação, entre Medianeira e Matelândia. O projeto completo, segundo a assessoria da empresa, será apresentado até o fim deste mês.

A concessionária sustenta que está disposta a fazer a duplicação, "mas depende de uma negociação com o governo do Paraná para que a obra volte ao contrato de concessão". Se­­gundo a empresa, até o momento a negociação ocorre apenas em uma esfera técnica. Fun­cionários e técnicos da concessionária e do DER estudam os possíveis impactos que a obra teria no contrato.

Acidentes

O inspetor-chefe da PRF em Foz do Iguaçu, Ricardo Schneider, diz que o número de acidentes registrados na pista duplicada da BR-277 é maior em relação à pista simples (ver infográfico) porque geralmente ocorrem em perímetros urbanos, onde há mais fluxo de veículos. Apesar de a incidência ser maior, esses acidentes são menos graves se comparados aos registrados na pista simples, onde ocorrem com mais freqüência colisões frontais causadas por ultrapassagens indevidas. Na pista dupla são comuns colisões traseiras, transversais e atropelamentos. "O principal problema é que os condutores não respeitam a sinalização", diz Schneider.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]