i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
violência

PM que matou menino de 10 anos diz que tentou acertar ombro

No novo depoimento, acompanhado pela Corregedoria da PM, o soldado disse que não viu, em nenhum momento da perseguição, que o motorista, Italo, e seu colega, que estava no banco de trás, eram crianças

    • São Paulo
    • Folhapress
    • 07/06/2016 08:31

    O PM que atirou e matou Italo, 10 anos, após uma perseguição de carro na última quinta-feira (2), na Vila Andrade (zona sul de SP), disse nesta segunda (6), em depoimento à Polícia Civil, que tentou atirar no ombro esquerdo para desarmar o agressor. Ele afirmou que, como o carro era insulfimado e estava com os vidros fechado, mirou na altura do ombro de um motorista adulto. Só depois viu que o condutor era criança – o tiro atingiu sua cabeça.

    O PM e seu colega, da Rocam (tropa de motos da corporação), alegam que Italo e um colega dele, de 11 anos, dirigiam um carro furtado. Durante a fuga, Italo atirou pela janela, sem sair do carro, três vezes.

    No novo depoimento, acompanhado pela Corregedoria da PM, o soldado disse que não viu, em nenhum momento da perseguição, que o motorista, Italo, e seu colega, que estava no banco de trás, eram crianças.

    Os PMs repetiram a sequência da ação narrada no registro da ocorrência.

    Eles afirmaram que Italo abriu a janela do motorista após o carro bater em um caminhão e fez o último dos três disparos contra eles.

    O PM disse que reagiu atirando na altura do ombro de um motorista adulto. Ao se aproximar, viu o vidro se fechando novamente. Ao abrir a porta, Italo estava morto com o tiro na cabeça. Seu colega foi apreendido.Nova versão Um dia após o fato, na última sexta-feira, o colega de Italo mudou o depoimento inicial e disse que o PM atirou mesmo sem o último disparo de Italo. O garoto também disse que foi ameaçado e agredido pelos policiais. Os PMs negaram.

    Eles disseram, ainda, que não acompanharam a criança até sua casa no dia e que ficaram no local do fato.

    O comandante-geral da PM, coronel Ricardo Gambaroni, disse ontem que os indícios até aqui são de que a ação policial foi legítima. “Tudo leva a crer que eles (os PMs) fizeram uso da força apenas com o intuito de se defender.” Os PMs foram afastados das ruas e atuam em função administrativa interna, sem o uso de armas.

    O governador Geraldo Alckmin (PSDB) considerou o caso “uma tragédia”. “Uma criança com um futuro todo pela frente.”

    Vídeo

    A Corregedoria da PM investiga a participação de policiais na divulgação de vídeo onde uma criança, que pode ser o menino de 11 anos detido pelo furto do carro na quinta-feira, dá uma versão do ocorrido.

    Integrantes do órgão estiveram ontem na sede do batalhão responsável pela área e ouviram PMs para apurar como o vídeo foi feito e quem o divulgou. “Não podemos garantir que possa ter sido feito [o vídeo] por um policial nosso. Haviam muitas pessoas no local. São imagens que podem ter o objetivo de reiterar a versão dos policiais”, disse o comandante-geral da PM, coronel Ricardo Gambaroni,

    Geraldo Alckmin (PSDB) disse que o vídeo “parece ser espontâneo”. Em nota, a Secretaria Estadual da Segurança Pública disse que as imagens foram encaminhadas para perícia.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.