i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Polícia abre inquérito para investigar caso de crianças amarradas em cadeiras

Cena foi flagrada na semana passada pela Vigilância Sanitária da capital, durante uma inspeção de rotina em uma escola de educação infantil

  • PorAngieli Maros
  • 29/07/2014 17:25

A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o caso das crianças encontradas amarradas em cadeiras em uma escolaparticular de Curitiba na semana passada. A cena foi flagrada pela Vigilância Sanitária da capital, durante uma inspeção de rotina. O órgão disse ter se deparado com vinte crianças, entre dois e três anos, presas nas cadeiras por um lençol em uma instituição no bairro Uberaba.

De acordo com a delegada do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), Sabrina Alexandrino, o inquérito foi aberto nesta segunda-feira (28). As intimações para oitivas tanto dos pais dos alunos como dos responsáveis pela instituição de ensino já foram emitidas, e a expectativa é de que os depoimentos comecem a ser prestados ainda nesta semana.

De acordo com a delegada, por causa do grande volume de testemunhas não há como prever um prazo para o fim das investigações. "Considerando o número de vítimas isso [inquérito] vai ter uma demora considerável. Até estas pessoas receberem e aceitarem a intimação, os fatores psicológicos envolvidos, porque vamos ver se alguma criança tem condições de verbalizar o que aconteceu, vai um bom tempo. E vamos respeitar o tempo que for necessário", disse.

Sabrina informou ainda que o inquérito só foi aberto porque o Nucria recebeu, na última sexta-feira (25), um ofício do Conselho Tutelar denunciando o fato. Até esta terça-feira, nenhum pai ou mãe de aluno havia procurado o núcleo para registrar qualquer denúncia.

A delegada disse que só após o fim das investigações é que será possível saber por qual crime deverão ser indiciados os responsáveis.

Escola diz que irá apoiar as investigações

Procurada pela reportagem, a responsável pela instituição de educação infantil denunciada declarou que apoia as investigações da polícia. "Eles têm mesmo que tomar providência. Quero mesmo que a polícia venha, converse com todo mundo, para esclarecer de uma vez por todas isso, porque se fosse crime mesmo, a gente estava preso", comentou.

Segundo a versãop da responsável pela creche - ao contrário do que foi informado pela Vigilância Sanitário - eram quatro e não vinte crianças que foram encontradas nas cadeiras pelo órgão durante a fiscalização. Além disso, elas não estariam amarradas, e sim "protegidas" pelo lençol para que não caíssem da cadeira. "De dentro da creche dá pra ver quem bate na porta. Se estivéssemos fazendo alguma coisa grave, a gente não iria abrir a porta e mandar a vigilância entrar. Não tem lógica essa denúncia deles", acrescentou. A mulher disse ainda que nenhuma das crianças deixou de frequentar a creche após a denúncia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.