i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Almirante Tamandaré

Polícia exclui hipótese de homicídio no caso de rapaz morto em motel

Funcionárias disseram que Adalto Prosdócimo ainda estava vivo quando amigos deixaram o local. Também foi afastada a possibilidade de amigos da vítima terem negligenciado socorro

  • PorFelippe Aníbal
  • 01/02/2012 15:16

A Polícia Civil de Almirante Tamandaré, região metropolitana de Curitiba, afastou a hipótese de Adalto Faria de Prosdócimo, de 25 anos, encontrado morto em um quarto de motel no último fim de semana, ter sido assassinado. Também foi descartada a possibilidade de os dois jovens que o acompanharam terem se omitido e negligenciado socorro à vítima. Prosdócimo era filho do vereador de Almirante Tamandaré, Antônio Ângelo Prosdócimo (PMDB).

"Os elementos nos levam a crer que foi uma morte natural ou causada pelo consumo excessivo de drogas", disse o delegado Antonio Macedo. A polícia aguarda os laudos do Instituto Médico-Legal (IML) e do Instituto de Criminalística (IC) para concluir o caso.

Nesta semana, os dois homens – que têm 23 e 27 anos de idade – que estavam com Prosdócimo no motel prestaram depoimento na delegacia do município. Segundo o delegado, ambos afirmaram que o filho do vereador estava vivo e passando bem quando eles deixaram o estabelecimento, por volta das 12 horas de sábado (28). A polícia também ouviu duas funcionárias e a supervisora do motel, que apresentaram versões que levam a crer que os jovens falaram a verdade.

De acordo com o delegado Macedo, antes de sair do estabelecimento, um dos rapazes pagou a conta. Antes que eles efetuassem o pagamento, no entanto, uma funcionária interfonou ao quarto e falou com Prosdócimo para confirmar o que havia sido consumido pelo grupo. "Segundo a funcionária, ele [Prosdócimo] parecia estar bem e conversou normalmente. Ele estava consciente e sabia que os amigos estavam indo embora", disse o delegado.

Ao fim da tarde, como Prosdócimo não saiu do quarto, as funcionárias do motel se preocuparam e interfonaram diversas vezes ao apartamento. Como ninguém atendeu, quando a supervisora chegou ao motel, já durante a noite, ela usou uma chave extra para abrir o quarto e encontrou o rapaz morto, na banheira de hidromassagem.

Drogas

Segundo o delegado, Prosdócimo e os amigos haviam passado a noite em bares de Curitiba. Os três teriam ido ao motel para consumir drogas. Em depoimento, os amigos da vítima afirmaram ter usado cocaína no quarto. O uso dos entorpecentes, no entanto, só será confirmado após os laudos conclusivos do IC.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.