i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Investigação

Polícia prende 62 pessoas acusadas de contrabando

PF desarticula quadrilhas que vendiam agrotóxico do Paraguai

  • PorFabiula Wurmeister e Dirceu Portugal
  • 15/11/2007 20:10
 | Sossella
| Foto: Sossella

Foz do Iguaçu – A Polícia Federal prendeu 62 pessoas (11 no Paraná) e apreendeu 473 quilos de agrotóxicos ontem, durante a Operação Ceres, deflagrada com o objetivo de desmantelar quatro quadrilhas que atuavam no contrabando de agrotóxicos nos estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Entre os detidos estão três policiais militares sul-mato-grossenses, fazendeiros e empresários.

No total, 350 policiais federais tinham como missão cumprir 76 mandados de busca e apreensão e 60 mandados de prisão em 23 cidades. No Paraná, as ações se espalharam em 11 municípios de regiões próximas à fronteira com o Paraguai e onde está fixado o maior centro agropecuário do estado.

Nas região de Cascavel (Oeste do estado) foram presas seis pessoas – uma delas em Campina da Lagoa – e apreendidos dez quilos de agrotóxicos. Já na região de Maringá (Noroeste), foram cinco detidos. Um dos mandados foi cumprido em Campo Mourão. Na casa de José Alberto Vila e na empresa de fachada mantida por ele, foram encontrados uma pistola nove milímetros, um revólver calibre 38 e 350 quilos de insumos contrabandeados.

Segundo o comando da Operação Ceres (nome da deusa romana da agricultura), em Naviraí (MS), no curso das investigações as informações levaram a esquemas de comércio ilegal de defensivos agrícolas que já haviam sido alvo das operações Hidra, Piratas da Lavoura e Campo Verde, realizadas respectivamente pelas delegacias da PF em Maringá, Guairá e Jataí (GO).

Segundo a polícia, o esquema contava com três bases, duas no Mato Grosso do Sul, nas cidades de Sete Quedas e Amambaí, e uma no Mato Grosso, no município de Primavera do Leste. Do Paraguai, os agrotóxicos entravam no país, entre outras, pelas fronteiras com Foz do Iguaçu, Guaíra – através do Lago de Itaipu –, Coronel Sapucaia, Ponta Porã e Bela Vista – pelas fronteiras secas –, abastecendo o mercado regional. O contrabando seguia ainda para cidades como Adamantina e Flórida Paulista, em São Paulo, outros dois pontos de distribuição usados pelo grupo.

De acordo com a PF, os acusados vão responder pelos crimes de formação de quadrilha, contrabando e crimes contra o meio ambiente. Comercializados livremente no Paraguai, por até um terço do preço do produto nacional, os agrotóxicos não possuem licença dos órgãos que avaliam os efeitos nocivos dos componentes ao meio ambiente e à saúde.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.