i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
operação aquiles

Policiais acusados de execução na RMC serão ouvidos nesta quinta-feira (22) no Gaeco

Os primeiros depoimentos serão dos investigadores e devem tomar todo período da manhã. O delegado Rubens Recalcatti deve ser o último a ser ouvido, depois do único suspeito que não é policial

  • PorDiego Ribeiro
  • 21/10/2015 13:14
Recalcatti, no dia que foi preso pelo Gaeco | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Recalcatti, no dia que foi preso pelo Gaeco| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

O delegado da Polícia Civil Rubens Recalcatti, os sete investigadores e Mauro Sidnei do Rosário começarão a ser ouvidos pelo Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) na manhã desta quinta-feira (22), a partir das 9 horas. Todos foram presos durante a operação Aquiles na semana passada acusados de executarem Ricardo Geffer, que era suspeito de matar o ex-prefeito de Rio Branco do Sul, João da Brascal. O crime teria ocorrido em abril na cidade da Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

Os primeiros depoimentos serão dos investigadores e devem tomar todo período da manhã. O delegado Recalcatti deve ser o último a ser ouvido, depois de Rosário, o único preso que não é policial.

Perícia aponta que equipe do delegado Recalcatti alvejou vítima deitada

Leia a matéria completa

De acordo com o Gaeco, cinco testemunhas compõem as provas da investigação do Gaeco e da promotoria de Rio Branco do Sul. Todas as testemunhas confirmaram aos promotores do órgão que o suspeito estava dominado, algemado, e não resistiu à prisão quando foi abordado. Portanto, não teria havido confronto. Laudos periciais também fazem parte do rol de provas dos promotores.

Por outro lado, a defesa dos acusados alega que houve confronto e que foram recebidos a bala em Rio Branco do Sul quando Geffer morreu. Segundo a defesa tem divulgado, os promotores têm se precipitado na análise dos laudos e todas as testemunhas teriam vínculos com Geffer, ou seja, teriam determinado interesse em acusar os policiais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.