i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Campos Gerais

Ponta Grossa tem greve de motoristas e cobradores de ônibus nesta 4ª

Parados desde a zero hora desta quarta-feira (26), os motoristas e cobradores querem 12% de aumento real no salário e reajuste de 100% no vale-alimentação. Empresa diz que já entrou na Justiça

  • PorAlyne Lemes, especial para Gazeta do Povo
  • 26/06/2013 08:25

Prefeitura pode multar a VCG

A Prefeitura de Ponta Grossa emitiu uma nota no final da manhã lamentando o desfecho das negociações entre a Viação Campos Gerais (VCG) e seus funcionários.

O comunicado afirma que, embora respeite a discussão da remuneração, a paralisação atinge milhares de usuários do transporte coletivo e é indispensável e obrigatório que pelo menos o número mínimo de coletivos seja colocado em circulação.

A nota garante ainda que a prefeitura estuda, através da Procuradoria-Geral, aplicar multa diária por descumprimento de contrato existente entre a município e a VCG.

Motoristas e cobradores da Viação Campos Gerais (VCG), em Ponta Grossa, rejeitaram a primeira proposta da empresa e mantêm a paralisação iniciada desde a zero hora desta quarta-feira (26). Convocados pelo Sindicato dos Motoristas e Cobradores do Transporte Coletivo de Ponta Grossa, os trabalhadores decidiram, em assembleia, entrar em greve. Pela manhã, usuários do transporte coletivo tiveram que buscar outros meios de transporte para irem ao trabalho e escola.

Os motoristas e cobradores querem que a empresa ofereça um aumento salarial real de 12% e um de 100% no vale-alimentação. Caso contrário, só voltam a circular com os ônibus após determinação judicial.

O sindicato alega que desde a data-base da categoria, em maio deste ano, foram oito reuniões na tentativa de negociar o acordo coletivo com trabalhadores empresa e município, todas sem sucesso.

Logo pela manhã, a VCG ofereceu aos motoristas e cobradores um aumento de 8,7% no salário e R$ 200 de vale-alimentação. A proposta foi rejeitada pela categoria que está mobilizada em frente ao Terminal Central. Segundo o secretário do Sindicato, Aitron Nascimento Costa, 100% dos trabalhadores aderiram à paralisação. "Vamos esperar uma nova proposta da empresa. Até lá, estamos em greve", afirmou ele.

Atualmente, um motorista júnior tem um salário de R$ 1.042 e o pleno recebe R$ 1.318,03. Os cobradores começam a carreira ganhando R$ 789. O vale-alimentação é de R$ 120 e a categoria não aceita menos que o dobro, R$ 240.

Na tentativa de evitar a paralisação dos funcionários, a VCG fez cerca de cinco propostas na tarde de terça-feira (26), mas todas foram rejeitadas. Segundo a empresa, depois da decisão pela greve foram suspensas todas as negociações e não houve nenhuma proposta feita durante a manhã desta quarta-feira.

A VCG informou ainda que já entrou com pedido de dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Curitiba e que só volta a conversar com a categoria por meio da Justiça. Ainda conforme a empresa, a expectativa é de que até final da tarde os ônibus voltem a circular normalmente.

Em 2012, data da última greve dos motoristas e cobradores de Ponta Grossa, foi justamente uma decisão do TRT que determinou que a categoria voltasse ao trabalho. Segundo a interpretação do tribunal, que definiu o novo reajuste, o movimento foi abusivo. Transtorno para usuários

Mesmo já sabendo da greve dos motoristas e cobradores da VCG, muitos usuários do transporte público enfrentaram dificuldades para chegar ao trabalho ou a seus compromissos.

O estudante de engenharia mecânica, André dos Santos, que usa o transporte para ir a faculdade, conta que precisou seguir a pé para aula. "Não tenho outra forma de ir", disse.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.