i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Entrevista

“Precisamos repensar quem somos, o que queremos e aonde vamos”

Adolfo Pérez Esquivel, ganhador do Prêmio Nobel da Paz

  • PorPaola Carriel
  • [21/11/2010] [21:07]
"A paz tem relação com a mãe natureza. Antes de falar de meio ambiente, é preciso falar de ambiente, restabelecer o equilíbrio entre o homem e a mãe natureza. Não somos todo, somos parte." | Walter Alves/Gazeta do Povo
"A paz tem relação com a mãe natureza. Antes de falar de meio ambiente, é preciso falar de ambiente, restabelecer o equilíbrio entre o homem e a mãe natureza. Não somos todo, somos parte."| Foto: Walter Alves/Gazeta do Povo

Nos últimos anos, o discurso ambientalista vem ganhando força no debate sobre os direitos humanos. Um dos grandes nomes dessa discussão é o argentino Adolfo Pérez Esquivel, ganhador do Nobel da Paz de 1980. Após militar pelo fim das ditaduras na América Latina, o ativista se engajou na luta pela preservação da natureza. Em Curitiba, neste fim de semana, Esquivel conversou com a Gazeta do Povo. Para ele, é preciso que o homem restabeleça o equilíbrio com o meio ambiente e que a humanidade pense em um novo contrato social. "Os instrumentos atuais não servem. Precisamos repensar quem somos, o que queremos e aonde vamos", diz.

O argentino defende a ideia de que a paz não pode ser individualista e personalista e que o modelo econômico atual coloca em risco a vida na Terra. Hoje Esquivel, com 79 anos, dedica-se a auxiliar organizações latino-americanas que defendem os direitos humanos e viaja o mundo divulgando essas experiências. Ele preside ainda o Serviço de Paz e Justiça (Serpaj).

Hoje o conceito de paz é discutido a partir de um ponto de vista holístico, com uma visão integradora entre homem e natureza. Por quê?

A paz tem relação com a mãe natureza. Antes de falar de meio ambiente, é preciso falar de ambiente. Primeiro é preciso restabelecer o equilíbrio entre o homem e a mãe natureza. Não somos todo, somos parte. Uma gota de água é todo o mar e todo o mar está nesta gota de água. Assim é o ser humano. Somos parte. O que ocorre é que os interesses econômicos levaram à destruição do ambiente e a um dano profundo à Terra, o que põe em risco a vida planetária. A paz não é uma ausência de conflito, mas uma dinâmica permanente da vida, das relações humanas, da natureza. Creio que, quando chegarmos ao equilíbrio, podemos encontrar a paz. Ninguém pode dar aquilo que não tem. Se não temos paz dentro da gente, não podemos compartilhá-la. Não pode haver paz individualista e personalista.

O senhor diz que estamos gerando uma monocultura das mentes e que isso é perigoso. Por quê?

É perigoso porque impõe um pensamento único. Há a morte das identidades, do sentimento de pertencimento e dos valores. Se isso ocorre, nosso povo, identidade e espiritualidade desaparecem. Deixamos de ter uma identidade e uma memória. Os povos que não têm memória desaparecem, são dominados e escravizados. O monocultivo das mentes e da terra, essa hegemonia cultural, está provocando danos profundos na humanidade. Teremos de ter a capacidade de resistência política, espiritual, cultural, econômica. E, para isso, é importante uma educação libertadora, como Paulo Freire nos ensinou a usar a consciência crítica. Mas, dentro desta situação trágica, teremos de descobrir signos de esperança. E há muitos.

Quais são esses signos de esperança?

Estive com o Movimento dos Sem-Terra e percebi que eles têm, por exemplo, a missão da soberania alimentar e da autonomia do pequeno agricultor. São eles que garantirão a soberania alimentar planetária e não as grandes corporações. Outro exemplo é o movimento de mulheres. Em todo o mundo, a cada dia as mulheres têm um papel mais importante. É uma capacidade que antes a opressão do machismo não permitia aparecer. E isso foi conquistado. Além disso, há os povos originários, que são os grandes ecologistas. Eles não destroem, utilizam com sabedoria a biodiversidade. Por outro lado, temos enormes desafios. Precisamos de um novo contrato social em escala planetária, Os instrumentos atuais não servem. Precisamos repensar quem somos, o que queremos e aonde vamos. Como vamos restabelecer novamente o equilíbrio destruído? Uma coisa é ver, outra enxergar. Hoje vemos, mas não enxergamos. Precisamos apreciar a beleza da criação.

No que o mundo avançou desde que o senhor ganhou o prêmio?

Nada fica estático em uma sociedade, há uma dinâmica permanente de transformação da vida. Uma evolução. Nunca somos iguais, nem no âmbito pessoal. Muito mudou no mundo. Caiu o Muro de Berlim, se desintegrou a União Soviética, os Estados Unidos passaram a ser hegemônicos, vieram as guerras do Afeganistão e do Iraque. Mas ainda há fome no mundo. Milhares de crianças morrem de fome todos os dias. É um genocídio silencioso, quando, por exemplo, se destrói gradativamente a mãe natureza ou se incentiva a monocultura. A mãe natureza nunca teve monocultura. Quem criou isso fomos nós, em um afã mercantilista.

Há setores da sociedade que criticam a emergência do autoritarismo na América Latina. Qual a sua opinião?

Os grupos de poder falam do autoritarismo dos outros, quando eles próprios o são. Autoritário é se impor como em uma ditadura. A autoridade tem respaldo do povo. Antes na Bolívia havia pobreza e miséria absoluta. Os indígenas eram completamente excluídos. Havia tubulação de gás passando em frente de suas casas e eles não tinham gás. Quem é autoritário? A Bolívia está livre do analfabetismo. Democracia significa direitos e igualdades para todos e todas e não para alguns. Os monopólios são os monocultivos da mente. Te dizem o que deve fazer e não há opções. Temos de ter a consciência de ser homens e mulheres livres.

Como foi a sua trajetória após receber o Prêmio Nobel?

Eu já era um ativista antes do Prêmio Nobel. Ele veio como conseqüência de um trabalho realizado em toda a América Latina. Assim, quando me outorgaram, não quis assumir como um título pessoal, mas em nome de todas as pessoas que fazem ações como essas em todo o continente. Para mim, o Nobel é um instrumento a serviço dos povos, não outra coisa. Nos últimos anos, seguimos trabalhando com as organizações populares, povos indígenas, camponeses, jovens. Sigo escrevendo e fazendo arte, publicando livros sobre as experiências positivas na América Latina e leciono na Universidade de Buenos Aires.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.