i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
programa federal

Primeira chamada do Mais Médicos tem baixa adesão

A primeira listagem foi feita com médicos formados no Brasil ou que já têm autorização para atuar no país. Paraná irá receber 91 profissionais

  • Porfolhapress
  • 06/08/2013 13:28

Paraná vai receber 91 médicos

O Paraná receberá inicialmente apenas 9% do total de médicos que solicitou ao governo federal pelo programa Mais Médicos, que tem o objetivo de ampliar o número de profissionais a serviço do Sistema Único de Saúde (SUS). Lista divulgada ontem pelo Ministério da Saúde mostra que, nesta primeira etapa do programa, 27 municípios paranaenses serão contemplados com a contratação de 91 profissionais – ao todo, 286 prefeituras do estado se cadastraram, solicitando 969 vagas.

Leia matéria completa.

Veja como ficará a distribuição dos médicos no PR.

Médicos "tentaram" ir para o interior, diz CFM

O CFM (Conselho Federal de Medicina) afirmou hoje (6) que os médicos brasileiros "tentaram" ir para cidades do interior, por meio do programa federal Mais Médicos, mas foram direcionados a regiões metropolitanas ou capitais.

Leia a matéria completa.

A primeira chamada do programa Mais Médicos vai fixar 938 profissionais em 404 cidades do país. Ou seja, atendeu a apenas 6% do total de médicos demandados por municípios ao governo federal e a 11,5% das cidades inscritas no programa.

A primeira listagem foi feita com médicos formados no Brasil ou que já têm autorização para atuar no país. A próxima etapa será oferecer as vagas não preenchidas a médicos que hoje atuam no exterior - fechando, então, a primeira rodada do programa.

Lançado em julho pela presidente Dilma Rousseff, o Mais Médicos tem dois eixos. O primeiro é fixar médicos, brasileiros ou estrangeiros, na rede pública de saúde de municípios do interior e periferias das grandes cidades. O segundo é ampliar o curso de medicina em dois anos - proposta já flexibilizada pelo próprio governo frente a uma avalanche de críticas.

Essa primeira rodada do programa recebeu o cadastro de 18.450 médicos, tanto dos que atuam no Brasil quanto dos que trabalham no exterior. Por outro lado, 3.511 cidades do país fizeram ao governo uma demanda por 15.460 médicos.

Hoje, o Ministério da Saúde apresentou os resultados da primeira chamada do programa, específica para os médicos que já atuam no Brasil (ou formados no país ou com diplomas já revalidados) - que representam 90% dos 18.450 médicos pré-inscritos no programa e são a prioridade do programa, segundo o discurso oficial.

O balanço aponta que 51,8% dos médicos confirmados atuarão nas capitais e regiões metropolitanas - muito concentrados no litoral nordestino e do sudeste e na região de Brasília. O restante irá para cidades do interior com alta vulnerabilidade social.

Frente ao baixo percentual de confirmações ao programa, o ministério estendeu até depois de amanhã o prazo para a confirmação dos médicos que atuam no Brasil.

As vagas não preenchidas até aqui serão ofertadas a médicos formados no exterior e que não tenham feito a revalidação de seu diploma no país (sejam nacionais ou estrangeiros). Esses profissionais têm até depois de amanhã para escolher as cidades de interesse.

Fechadas essas duas primeiras ofertas, a médicos que atuam dentro e fora do Brasil, uma nova rodada de inscrições deve ocorrer na próxima semana. Rodadas completas devem ocorrer a cada mês, segundo plano original do governo.

O balanço foi apresentado com certa pompa. Estavam presentes o governador do Acre, Tião Viana (PT), e os presidentes dos conselhos de secretários municipais e estaduais de saúde, além de duas associações de prefeitos - o Mais Médicos foi construído em cima da pressão dos gestores locais por mais médicos no SUS.

Flores ornamentavam a mesa de apresentações, o que não é frequente em coletivas do Ministério da Saúde.

Empurra

Em lados opostos da batalha em que se transformou o programa Mais Médicos, Ministério da Saúde e CFM (Conselho Federal de Medicina) encontram explicações diferentes para o grande número de pré-inscrições e desistências.

A entidade dos médicos critica falhas no sistema do governo, que teriam atrapalhado - possivelmente de propósito - a inscrição dos médicos brasileiros. E diz que a falta de garantias trabalhistas previstas pelo programa - como FGTS e carteira assinada - espantou o interesse dos profissionais.

Já o ministério nega falhas e indica a ocorrência de um boicote da parte dos médicos. Segundo a pasta, mais de 7 mil pré-inscrições apresentaram inconsistências no número do CRM (Conselho Regional de Medicina) registrado pelo candidato e, em 90% dos casos, o número era formado por zeros e traços.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.