i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Paralisação da educação

Professores em greve fazem protestos, buzinaço e passeata em Curitiba

Com faixas e gritos, manifestantes perguntam “cadê o nosso dinheiro” em frente à sede da Receita Estadual, no Centro, e na sede da Secretaria da Fazenda

  • PorCatarina Scortecci, especial para a Gazeta do Povo
  • 14/05/2015 09:55
Em passeata pelas ruas do Centro da cidade, professores carregaram um caixão | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Em passeata pelas ruas do Centro da cidade, professores carregaram um caixão| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

A APP-Sindicato, entidade que representa os servidores da educação, organizou dois protestos na manhã desta quinta-feira (14) em Curitiba, em frente à Delegacia da Receita Estadual, na Rua Lourenço Pinto, e também em frente à Secretaria de Estado da Fazenda, na Avenida Vicente Machado. Desta vez, o mote principal da mobilização dos professores, em greve há 18 dias, teve ligação com a situação financeira do governo estadual, que alega nesta data-base não ter como conceder aos servidores estaduais um reajuste de 8,17%, índice correspondente à inflação dos últimos 12 meses medida pelo IPCA.

Confira a manifestação dos professores na Receita Estadual

Professores protestam em frente a Delegacia da Receita Estadual e questionam destino do dinheiro do estado.

+ VÍDEOS

Greve já afeta férias de julho e os sábados

Estado precisa garantir o mínimo de 200 dias letivos na rede pública e para isso precisará avançar nas horas de descanso

Leia a matéria completa

Na Delegacia da Receita Estadual, quase 100 professores começaram a protestar por volta das 9h30. Cerca de 20 motoristas de vans e ônibus escolares particulares, que perderam clientela durante a greve, engrossaram a mobilização. Eles fizeram dois “buzinaços” na região.

Veja fotos dos protestos desta quinta-feira (14)

A Delegacia da Receita Estadual, de acordo com a APP-Sindicato, também se tornou alvo dos manifestantes em função das investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Londrina, que apura casos de corrupção na Receita Estadual. O Gaeco já denunciou 62 pessoas, entre auditores fiscais, empresários e contadores, envolvidas em casos como cobrança de propina para reduzir dívidas de ICMS. “Onde foi parar o dinheiro do Paraná?”, gritaram os manifestantes. Coincidentemente, horas antes da chegada dos manifestantes, o Gaeco cumpria mandados no local, em decorrência dos desdobramentos da investigação em Londrina.

Em seguida, antes das 10h30, o grupo seguiu em marcha para a Secretaria Estadual da Fazenda (Sefa), onde cerca de 500 pessoas protestaram na entrada do prédio, reforçada por seis seguranças. Os manifestantes protocolaram na Sefa um documento registrando quais eram as posições da categoria em torno da discussão sobre a data-base. Para a APP-Sindicato, o estado tem condições de aplicar o reajuste com base no IPCA.

O ato na Sefa reuniu cerca de 500 pessoas e chegou ao fim por volta das 12 horas. Durante a mobilização, a categoria foi surpreendida por um uma nota divulgada pela Agência Estadual de Notícias (AEN), órgão de comunicação oficial do governo do Paraná, na qual é anunciada uma série de decisões, entre elas a concessão de um reajuste de 5% aos servidores, “a ser pago em duas parcelas, conforme a capacidade orçamentária e financeira do estado”. O governo estadual informou ainda que considera encerradas as negociações com todos os sindicatos de servidores e que vai abrir processos contra diretores de escolas “para apurar casos de insubordinação”.

A informação foi repassada aos manifestantes pelo presidente da APP-Sindicato, Hermes Silva Leão, que reagiu com duras críticas à gestão Beto Richa (PSDB). “Repudiamos completamente esta posição do governo estadual, que age de forma autoritária, tirana”, afirmou ele. O comando geral da greve fará uma reunião às 9 horas desta sexta-feira (15) para definir os próximos passos da mobilização.

  • Faixas para o protesto dos professores começaram a ser colocadas em frente à Receita Estadual por volta das 9 horas
  • Veículos de transporte escolar fizeram um “buzinaço” em frente ao órgão
  • Com megafone, manifestante puxa o coro dos gritos contra o governo do estado
  • Gritos foram do tradicional “fora, Beto Richa” ao “onde é que foi parar... o dinheiro do Paraná”
  • Fila de veículos de transporte escolar se formou na rua Lourenço Pinto
  • Professores e servidores simularam sacos de dinheiro para protestar contra o governo estadual
  • Passeata segue pela rua Monsenhor Celso, no Centro da capital
  • Em frente à sede da Secretaria da Fazenda, mais manifestantes se reuniram para protestas
  • Professores estão em greve desde o último dia 27de abril
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.