i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
congresso

Projeto cria o crime de feminicídio

  • PorAgência O Globo
  • 07/08/2013 21:10

44 mil mulheres foram assassinadas entre 2000 e 2010, segundo o Mapa da Violência. Dados da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) revelam que entre 1980 e 2010 o índice de assassinatos de mulheres dobrou, passando de 2,3 a cada 100 mil pessoas para 4,6 a cada 100 mil

No dia em que a Lei Maria da Penha completou sete anos de vigência, a senadora Ana Rita (PT-ES), relatora da CPMI da Violência Contra a Mulher, cobrou em plenário a atualização da legislação, considerada pela senadora a "mais importante e conhecida lei do país". Segundo ela, com as mudanças, a legislação vai se tornar mais eficaz na prevenção da violência doméstica e familiar contra mulheres.

Uma das propostas apresentadas pelo relatório final da CPMI foi a criação da figura jurídica do feminicídio: agravante para crimes de homicídio cometidos pelo fato de a vítima ser mulher. A apresentação de um projeto de lei que começa a tramitar no Senado prevê a inclusão do termo no Código Penal, como um qualificador nos casos de homicídio. Pelo texto, a pena para esses casos seria aumentada para entre 12 e 30 anos, e o feminicídio estaria configurado nos casos de assassinatos de mulheres em que haja relação de afeto ou parentesco entre agressor e a vítima; prática de violência sexual no crime; e mutilação ou desfiguração da vítima.

A comissão, que concluiu seus trabalhos no mês passado, propôs ainda outros 12 projetos de lei. "A lei Maria da Penha é suficiente. Mas a CPMI entendeu que em alguns aspectos ela precisa ser ajustada para não ter interpretações diferenciadas", firma a senadora.

Integrante da comissão de juristas para reformar o Código Penal, o desembargador José Muiños Piñeiro Filho avalia que a criação do femicídio contribuirá para o reconhecimento de que existe a desigualdade de gênero. "Muitas mulheres são mortas simplesmente por sua condição de mulher, ou seja, por sua condição considerada insignificante ou de mero objeto", diz o desembargador, um dos favoráveis à criação do termo na comissão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.