i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Minas Gerais

Quadrilha que falsificava remédio é denunciada por MPF

  • PorAgência Estado
  • 11/10/2008 12:42

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou 11 pessoas que formavam uma quadrilha voltada para a produção irregular e o tráfico internacional de medicamentos em Minas Gerais.

Segundo o MPF, o grupo criou a fórmula de um produto que anunciavam como fitoterápico, mas na realidade era composto por substâncias psicotrópicas causadoras de dependência física e psíquica. No mercado internacional, principalmente na Venezuela e nos Estados Unidos, o medicamento era vendido com o nome de Emagrece Sim. No Brasil, o produto recebia o de Herbathin.

A denúncia, aceita pela Justiça Federal de Belo Horizonte, é o desfecho da Operação Vênus, desenvolvida em conjunto pelo Ministério Público Federal, Polícia Federal e Superintendência de Vigilância Sanitária do Estado de Minas Gerais em 19 de setembro do ano passado.

Naquela ocasião, foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão e 11 mandados de prisão temporária expedidos pelo juízo da 4ª Vara Federal de Belo Horizonte.

Foram denunciados a empresária mineira Claudina Rodrigues Bonfim seis irmãos e uma sobrinha da empresária que também faziam parte da quadrilha, além de três pessoas, duas delas residentes em São Paulo e Roraima.

Eles são acusados dos crimes de tráfico internacional de drogas, associação para o tráfico, falsidade ideológica em documentos públicos, evasão de divisas, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e venda e distribuição de medicamento produzido irregularmente e sem qualquer autorização das autoridades responsáveis.

Liderados por Claudina, a quadrilha atuava na preparação e comercialização clandestina do "Emagrece Sim". O kit do medicamento, vendido a preços que variavam entre US$ 85 e US$ 300, era destinado somente à exportação.

Anunciado como um "composto 100% fitoterápico, despido de quaisquer substâncias químicas", a fórmula do medicamento continha, na verdade, as substâncias clordiazepóxido, femproporex e fluoxetina. É exatamente a presença dessas substâncias que caracterizou o tráfico de drogas, já que atuam como psicotrópicos poderosos, causando em quem os consome grave dependência física e psíquica.

No Brasil, a quadrilha teve o laboratório interditado pelos órgãos de fiscalização em janeiro daquele mesmo ano. Quando o laboratório sofreu interdição, os réus transferiram a produção para outro local, tomando o cuidado de evitar qualquer sinal externo de identificação do que ali se fazia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.