Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | /
| Foto: /

Reclamar de tudo e de todos de vez em quando não é algo que fuja muito da normalidade. Mas quando esse mimimi todo vira um hábito, é melhor prestar atenção porque as consequências podem ir além de isolamento social e dificuldades de relacionamento. Reclamar tem sido objeto de estudo em diferentes áreas, especialmente na psicologia e na medicina, e ambas associam esse comportamento, quando exagerado, a doenças perigosas, como depressão.

O pesquisador americano Steven Parton, filósofo e cientista da computação, lançou mão de conhecimentos sobre inteligência artificial, neurociência e filosofia oriental para observar que outros efeitos a reclamação constante poderia produzir na mente e no corpo.

Ruim para a mente

Uma pesquisa da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, concluiu que meia hora de negatividade por dia pode danificar o cérebro de uma pessoa – esteja ela reclamando, ouvindo alguém reclamar ou mesmo assistindo a notícias negativas pela TV. Isso prejudica o funcionamento de neurônios do hipocampo, parte da massa cinzenta que cuida da resolução de problemas, do funcionamento cognitivo e da memória.

Uma de suas conclusões é a de que os reclamões de plantão têm a saúde prejudicada pelo hábito de queixar-se, porque, com essa atitude, estariam expondo ainda mais o corpo ao hormônio cortisol, que, em desequilíbrio, pode ter impactos negativos sobre a saúde, causando lapsos de memória, dificuldade de aprendizagem e cansaço.

Corações otimistas

Um pouquinho de otimismo faz bem para o coração. Um estudo da Universidade de Illinois, nos EUA, concluiu que uma pessoa otimista tem o dobro de chance de ter um coração saudável do que um pessimista. Os pesquisadores analisaram a saúde de 5,1 mil adultos com idades entre 45 e 84 anos. Foi a segunda pesquisa científica que chegou a esta conclusão em poucos anos. A anterior, de Harvard, relacionou otimismo e esperança a menor risco de infartos.

Lamentar-se constantemente pode representar uma forma de canalizar raiva e medo, uma maneira de justificar a falta de controle sobre o que sentimos e, não raro, nos paralisa diante de circunstâncias da vida.

“Quanto mais tempo você gasta reclamando inutilmente, menos você está realmente aprendendo com seus erros e menos toma medidas para tornar as coisas melhores”, diz Steven Parton, em entrevista por e-mail.

Distimia, o mau humor patológico

Sinais de alerta para a negatividade extrema

1. Se você conhece alguém que está sempre melancólico, sem vontade de fazer nada e que não sente prazer nas coisas, pode-se pensar na possibilidade de que tenha distimia, um distúrbio do humor para o qual existe tratamento.

2. A distimia, assim como a depressão, pode atingir crianças e adolescentes. Às vezes, esses transtornos estão camuflados no baixo rendimento escolar, no comportamento antissocial e no temperamento agressivo que não se consegue controlar.

3. Se, nos últimos dois anos, seus amigos e parentes têm comentando que você anda de cara amarrada, irritado, descontente com tudo e com todos, procure um médico.

4. Busque tratamento com medicamentos e psicoterapia. Os remédios ajudam a corrigir o problema físico, e a psicoterapia, a praticar novas formas de relacionamento.

5. Quem tem distimia tende a enxergar só o lado negativo do mundo e a não sentir prazer em nada. A diferença entre essa pessoa e o resto dos mal-humorados é que os últimos reclamam de um problema, mas param diante da resolução. O distímico continua reclamando até quando ocorrem coisas boas, pois passa a ver o lado negativo nessas coisas também. Por exemplo, se o distímico ganha na loteria, não fica feliz. Ele começa a pensar em coisas negativas, como a possibilidade de ser alvo de assalto.

A psicóloga Neusa Chardosim, especialista em Psicoterapia de Orientação Analítica e Neuropsicologia pela UFRGS e mestranda em Gerontologia Biomédica pela PUCRS, explica que ficar irritado, estar sempre reclamando e de mau humor pode ser um traço de personalidade excêntrica, mas chama a atenção para um problema maior, que pode passar despercebido: a distimia. Essa doença é uma forma crônica de depressão, com sintomas mais leves. Enquanto a pessoa com depressão grave fica paralisada, quem tem distimia continua tocando a vida, mas está sempre desmotivada e, por consequência, tende a reclamar mais.

“Na maioria das vezes, familiares e amigos confundem os sinais que estas pessoas apresentam com um simples mau humor, o que dificulta muito a aceitação e, principalmente, a iniciativa de buscar ajuda”, diz Neusa.

A especialista reforça que o diagnóstico da distimia é basicamente clínico e que é importante considerar a manifestação dos sintomas por pelo menos dois anos consecutivos. Irritabilidade e mau humor são os sinais mais imediatos, mas há outros, como desânimo e tristeza, alterações do apetite e do sono, falta de energia, isolamento social e tendência ao uso de drogas e tranquilizantes. Diante desse quadro perigoso, o diagnóstico precoce é fundamental para acelerar o tratamento.

Neusa afirma que é possível que a distimia esteja ligada a um desequilíbrio químico de neurotransmissores em regiões do cérebro que comandam o humor, como o sistema límbico, o hipotálamo e o lobo frontal. Nesse ponto, o uso de antidepressivos ajuda a reestabelecer o equilíbrio químico – porém, sozinhos, esses medicamentos não fazem milagre. O tratamento mais adequado deve combinar antidepressivos e psicoterapia.

Isso porque, embora os remédios corrijam o distúrbio biológico, o paciente precisa aprender novas possibilidades de reagir e estabelecer relações interpessoais. Em contrapartida, a psicoterapia sem apoio dos medicamentos também é improdutiva, porque cobra uma mudança de comportamento que a pessoa é incapaz de atingir por causa de suas limitações orgânicas.

“Dificilmente, estas pessoas se dão conta do próprio problema. Acham que o mau humor, a falta de prazer e de interesse pelas coisas e a tristeza que não dá trégua fazem parte de sua personalidade e do seu jeito de ver o mundo. E quase nunca procuram ajuda, tendendo a se isolar” explica Neusa.

Se, culturalmente, lamentar-se ficou muito associado à terceira idade e à adolescência – e, nessa fase, a rabugice está muito ligada às alterações hormonais –, quando se fala em distimia, a idade para que os sintomas se manifestem pode variar bastante, apesar de, na adolescência, se apresentar com mais frequência. Como se trata de algo hereditário, até mesmo na infância os sinais podem ficar evidentes. Quando diagnosticada na velhice, geralmente observa-se manifestações anteriores, que, de alguma forma, foram negligenciadas.

“Quem tem distimia costuma procurar ajuda só quando ela já evoluiu para um quadro depressivo grave. O desconhecimento prevalece nos primeiros anos. Essas pessoas aprendem a funcionar irritadas. Acham que, por ser um traço de personalidade, o problema é imutável”, alerta Neusa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]