i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ônibus

Relatório sobre a tarifa vai embasar auditoria na Urbs

Comissão que avalia o preço da passagem apresenta sugestões para baratear os custos do transporte público na capital

  • PorFernanda Trisotto
  • 27/06/2013 21:09
Roberto Gregório, presidente da Urbs: “Sistema precisa ser mais transparente” | Valdecir Galor/ SMCS
Roberto Gregório, presidente da Urbs: “Sistema precisa ser mais transparente”| Foto: Valdecir Galor/ SMCS

Depois de quatro meses de trabalho, a Comissão de Análise da Tarifa da Rede Integrada de Transporte (RIT) finalizou o relatório que reúne sugestões para melhorar o transporte público de Curitiba e região. A conclusão é de que é possível encontrar meios para baixar o preço da passagem e é preciso aumentar a transparência do processo. O relatório será entregue ao prefeito Gustavo Fruet na semana que vem e disponibilizado para a sociedade de modo geral, o Ministério Público e a Câmara de Vereadores, que acaba de criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os contratos do transporte público.

Segundo o presidente da Urbs, Roberto Gregório da Silva Júnior, os apontamentos da comissão podem ajudar a direcionar os trabalhos da auditoria que está sendo feita na Urbs. Já em relação ao transporte na rede metropolitana, que é de responsabilidade do governo do estado, há a sugestão de uma revisão da modelagem tarifária. "A comissão entendeu que tem de ser aprimorado um sistema de governança, com a presença da sociedade. Ficou muito clara a necessidade de mais transparência", afirmou.

Outro ponto questionado é o processo licitatório do setor e seus parâmetros. Além de ser alvo de perguntas da sociedade, as próprias empresas vencedoras do certame reclamam dos contratos. Para Gregório, a pergunta que deve ser respondida é se o processo licitatório está adequado. "Se entendermos que apresenta problema, ele tem que ser revisto. É um trabalho que será conduzido e a própria CPI da Câmara é um fórum adequado para tratar esse assunto", analisa.

Entre as recomendações aprovadas, estão a de que seja feita revisão dos parâmetros técnicos que compõem a tarifa técnica a cada quatro anos; auditoria sobre todos os parâmetros atualmente utilizados; revisão do Conselho Municipal de Transporte dotando-o de competência para se pronunciar sobre a revisão tarifária; e a possibilidade de implantação da tarifa sazonal, com valores diferenciados fora de horários de pico.

Satisfatória

O vereador Jorge Bernardi (PDT) destacou que a comissão foi uma conquista da sociedade. "Aqui nós reunimos técnicos das mais diversas áreas e que estão avaliando ponto por ponto o sistema de transporte coletivo", diz. Ele afirmou que o modelo pode servir de base para o governo federal implantar em outras cidades. Para o presidente do Setransp, sindicato dos empresários do setor, Dante Gulin, a comissão esclareceu pontos importantes do sistema. "Há muita falta de conhecimento dentro do sistema e são tiradas conclusões precipitadas", pondera.

"Não somos bandidos", diz empresário

O presidente do Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metro­­politana (Setransp), Dante Gulin, disse ontem que a prefeitura está tratando as concessionárias do transporte como "bandidas". A declaração foi feita em resposta ao anúncio do Executivo de que uma empresa do setor deixou de pagar R$ 253,6 mil em tributos municipais no período entre 2008 e 2010.

Gulin reclamou do fato de a administradora do sistema divulgar que uma empresa deve – em valores corrigidos – R$ 474,5 mil em Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISS). "As coisas precisam ser pesquisadas para ver a verdade. Essa divulgação [da dívida] de ISS deixou os empresários como bandidos e nós não somos bandidos, somos homens de responsabilidade", disse. Outras cinco empresas foram notificadas para apresentar documentos.

O dirigente citou ainda o fato de alguns empresários trabalharem no sistema de transporte há 60 anos, e defendeu a categoria da acusação. "Todo o pagamento que é feito para as empresas, consórcios, já vem deduzido do ISS, é retido na fonte, nós recebemos o líquido desse valor."

O presidente da Urbs, Roberto Gregório, disse que as dívidas são de um período anterior e que só a partir da licitação houve mudança no recolhimento do ISS. "Hoje o imposto é retido na fonte, mas essas autuações se referem de 2008 a 2010, portanto, antes da licitação.

A Secretária de Finanças de Curitiba, Eleonora Fruet, garantiu que o processo que está sendo instaurado não é persecutório e que visa estabelecer a transparência de informações.

"Como qualquer outro procedimento, estamos fiscalizando com rigor empresas cadastradas na prefeitura para constatar irregularidades. Aqueles que forem acusados terão o direito de se defender", destacou.

Colaborou Thomas Rieger

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.