i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
serviço público

Richa oferece 5% de reajuste e pode enfrentar uma greve geral

Reajuste anunciado também representa o fim do diálogo com os servidores, que esperavam ao menos reposição da inflação, de 8,17%

  • PorAntonio Senkovski e Catarina Scortecci,
  • 14/05/2015 22:00
APP-Sindicato realizou dois protestos em Curitiba na quinta-feira. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
APP-Sindicato realizou dois protestos em Curitiba na quinta-feira.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

O governo do Paraná anunciou na quinta-feira (14) o fim das negociações com os professores e também com as outras categorias do serviço público, ao divulgar que o reajuste salarial do funcionalismo neste ano será de apenas 5%, abaixo do pedido mínimo de reposição da inflação dos últimos 12 meses (8,17%) e dividido em duas parcelas. A medida ainda precisa passar pela Assembleia Legislativa e não tem data para ocorrer, mas desde o início da gestão Beto Richa (PSDB), em 2011, é a primeira vez que o serviço público terá os rendimentos corrigidos abaixo da inflação.

Dia de protesto e decepção

A APP-Sindicato, entidade que representa os servidores da educação, organizou dois protestos na manhã de quinta-feira (14) em Curitiba. Um em frente da Delegacia da Receita Estadual e outro na sede da Secretaria de Estado da Fazenda (foto). O objetivo era pedir pela reposição da inflação dos últimos 12 meses, de 8,17%, e relembrar a violência vivida no dia 29 de abril, quando policiais militares reagiram desproporcionalmente a manifestantes que tentavam evitar a votação das mudanças no fundo previdenciário do funcionalismo pela Assembleia Legislativa. Durante as manifestações é que os servidores ficaram sabendo do anúncio de 5% do governo estadual.

O fim do diálogo foi anunciado por meio de nota, em que o Executivo também confirmou que os dias parados dos docentes da rede estadual serão descontados a partir do mês de junho e comunicou a abertura de um edital para a contratação de temporários (PSS) que poderão substituir os professores em greve e mesmo repor aulas atrasadas. Com o caixa do estado quebrado, o dinheiro para essa contratação viria, eventualmente, dos descontos da folha de pagamento dos professores efetivos, segundo o chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra, explicou em coletiva à imprensa.

Somado a isso, procedimentos de investigação serão abertos para identificar e punir diretores que tenham impedido acesso de alunos e professores às escolas durante a greve.

As medidas foram vistas como afronta ao funcionalismo por entidades sindicais, que sinalizam apoio a uma possível greve geral no estado. Uma série de assembleias está marcada para deliberar sobre greves nos próximos dias, a maior parte delas para a terça-feira (19), data em que estava marcada uma terceira reunião de negociação com o governo estadual e que agora deverá dar lugar a um grande protesto no Centro Cívico. “Após toda a violência que sofremos no dia 29, o governo tinha acenado com a retomada do diálogo e do respeito. Essas medidas são uma violência”, diz o presidente da APP-Sindicato, Hermes Silva Leão. Ele enfatizou que o encerramento das negociações ocorre depois da primeira e única proposta de reajuste apresentada pelo governo.

Medidas anunciadas

O fim das negociações com os servidores veio acompanhado de outras medidas:

- Fim das negociações com os sindicatos;

- Envio de Projeto de Lei à Assembleia Legislativa com reajuste de 5% em duas parcelas;

- Abertura de seleção de Processo Seletivo Simplificado (PSS) para contratação de novos professores temporários para retomada das aulas;

- Desconto no salário dos professores em greve dos dias ­parados;

- Abertura de processo por insubordinação contra diretores que estimularam a greve.

A entidade sindical que representa UEL, Uenp e Unespar também diz ser praticamente impossível interromper a greve em andamento. O anúncio revoltou ainda os sindicatos dos agentes penitenciários (Sindarspen) e dos servidores da saúde (SindSaúde), este atualmente em estado de greve. “A categoria é quem define, mas o entendimento da direção é de que o retrocesso nos nossos direitos é uma avalanche com determinação do governo para que aconteça a qualquer custo”, diz a diretora do SindSaude, Elaine Rodella.

O chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra, defende que o aumento de 5% é o que cabe nas contas do estado e comentou que todos os paranaenses foram prejudicados com as medidas de austeridade, que incluíram aumento de impostos. Também reiterou que o Executivo cumprirá com outros compromissos com os professores. “Compromissos estão sendo honrados, serão honrados e é por isso que não temos condições de pensar num reajuste maior, porque nós vamos pagar R$ 260 milhões de coisas que vêm do passado.” O valor se refere a benefícios em atraso, como promoções e progressões de carreira.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.