i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
solidão

Rodrigo Gularte tentou cometer suicídio a 2 dias do Natal

Paranaense está no corredor da morte na Indonésia, condenado por tráfico de drogas

    • brasília
    • Agência O Globo
    • 26/02/2015 03:00

    Faltavam dois dias para o Natal quando, numa noite de sábado de 2006, Rodrigo Gularte, condenado à morte em primeira instância por tráfico de drogas, tentou se matar. Funcionários do presídio indonésio contaram que ele vinha manifestando sinais de forte depressão, que atribuiu à proximidade das festas de final de ano e ao fato de outro detento brasileiro, Marco Archer (morto por fuzilamento há um mês) estar sendo visitado pela mãe.

    Itamaraty não tem ajudado, diz advogado

    A mãe de Rodrigo Gularte e duas primas correm para que governo local aprecie documento que poderia tirá-lo do corredor da morte

    Leia a matéria completa

    Gularte tivera seu telefone celular furtado um mês antes, o que o impedia de fazer contatos com a família. Para piorar a solidão, ele fora remanejado para outro pavilhão, por causa de sua tensa relação com Archer. Eles não mais se entendiam e brigavam constantemente, segundo relato da embaixada brasileira em Jacarta ao Itamaraty.

    Confinado em uma cela de segurança após colocar fogo em roupas e objetos em sua cela, Gularte explicou que se sentia abandonado por sua família em uma época de confraternização. Diplomatas e profissionais de saúde que o visitaram perceberam, pela primeira vez, que algo estava errado com ele. Simpático e demonstrando tranquilidade, disse aos interlocutores que criava gatos na nova cela e cuidava do jardim, mas acrescentou um detalhe preocupante.

    “O único aspecto discutível de seu discurso... foi o de relatar que mantém contato por telepatia com amigos do Brasil”, diz o trecho de um telegrama do então embaixador do Brasil, Edmundo Sussumu Fujita.

    O detento paquistanês Zulfikar Ali, uma das pessoas mais próximas a Gularte, relatou que ele sofria alucinações e o procurava durante a noite, tremendo de medo e pedindo para se esconder embaixo de sua cama.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.