i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Segurança

“Se fizerem greve, vão pra rua”

Requião classifica paralisação de policiais e agentes penitenciários de “inconcebível” e ameaça com demissão

  • PorDaniel Costa, Jornal de Londrina
  • 26/11/2009 21:07

Londrina - O governador Roberto Requião (PMDB) afirmou na manhã de on­­tem, em Londrina, que não aceitará nenhum movimento de greve dos policiais civis e dos agentes pe­­ni­­tenciários no Paraná. Requião foi enfático ao dizer que em caso de paralisação todos os servidores serão demitidos. "Isso não é uma ameaça, é um fato. Se houver greve, mando todos embora e abro ra­­pidamente um concurso. Garan­­to que tem muitas pessoas querendo trabalhar", afirmou.

Durante entrevista coletiva, o governador disse que não há negociação e qualquer paralisação é "in­­concebível". De acordo com Re­­quião, os agentes penitenciários "fi­­cam fazendo estripulias de greve", enquanto ele melhorou a re­­muneração da categoria depois que assumiu o governo. "Quando tomei posse as penitenciárias estavam privatizadas e os agentes ga­­nhavam R$ 550. Rompi todos os contratos e realizei concurso com salário inicial de R$ 2.550 e na carreira um agente pode ganhar até R$ 5.312. É o melhor salário do Brasil e não há diálogo", disse.

O governador ironizou a proposta dos agentes penitenciários de mudar a atual escala de 12 horas por 36 horas, para 24 ho­­ras por 72. Requião disse que essa proposta é "uma brincadeira". Ele argumentou que nenhum agente trabalha as 24 horas do dia. "O que eles querem é trabalhar dois dias e folgar cinco. Isso dá sete dias por mês e a população paranaense não vai tolerar isso. Por isso, se fizerem greve, vão para a rua", afirmou.

Requião ainda disse que não vai autorizar o porte de arma dos agentes penitenciários. Segundo ele, o governo "não vai colocar uma ar­­ma na cinta de cada servidor" e a segurança da categoria é fei­­ta pelas polícias Civil e Militar. Na terça-feira, os policiais realizaram um dia de paralisação em todo o Paraná e prometem decidir em 15 dias se iniciam ou não uma greve.

Sindicatos

O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen), Clayton Agostinho Auwerter, afirma que a ameaça de demissão não impedirá a paralisação. Ele disse que o departamento jurídico está tentando derrubar a liminar da Justiça que impediu o início da greve no último dia 21. "Assim que conseguirmos derrubar essa liminar, vamos parar. Não há como o governador demitir os agentes, pois somos servidores estaduais e a greve é legal", disse. Auwerter também la­­mentou o posicionamento do governo de não cumprir uma lei federal que autoriza o porte de armas aos agentes. Segundo ele, as declarações de Requião mostram que "o governador não entende nada de lei".

O presidente do sindicato também rebateu as declarações de Requião em relação à escala de trabalho proposta pela categoria. De acordo com ele, ela não alterará a quantidade de horas trabalhadas pelos agentes. "Com a carga de 12 por 36 horas trabalho 168 horas mensais com duas folgas por mês. A escala 24 por 72 horas, com uma folga mensal, manterá a mesma carga de trabalho", concluiu.

O presidente do Sindicato das Classes Policiais Civis (Sinclapol), André Luiz Gutierrez, disse que a categoria só está cobrando a promessa do próprio governador de estruturar a carreira dos agentes no estado. Gutierrez disse que po­­derá acionar o jurídico se houver assédio moral por parte de chefes.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Londrina e Região (Sindipol), Ademilson Alves Ba­­tista, disse que o sindicato encaminhará hoje um comunicado para a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) para marcar uma audiência.

Para exemplificar a defasagem, o sindicato usou como exemplo a remuneração dos futuros guardas municipais de Lon­­dri­­na, que terão salário inicial de R$ 1,7 mil e exigência de ensino mé­­dio, enquanto para ser investigador ou escrivão é preciso ter ensino su­­perior e o salário inicial é R$ 1,9 mil.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.