i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
MONITORAMENTO DE PRESOS

Sem regulamentação, PR adia uso de tornozeleiras

Estado teme que falta de normatização invalide projeto e licitação para compra de equipamentos. Especialista questiona controle sobre presos

  • PorVanessa Prateano
  • 14/09/2010 21:04
Equipamento colocado no tornozelo dá a localização exata do detento e apita em caso de fuga | Hugo Hara/Gazeta do Povo
Equipamento colocado no tornozelo dá a localização exata do detento e apita em caso de fuga| Foto: Hugo Hara/Gazeta do Povo

DETALHES

Saiba como funciona o monitoramento e quem poderá deixar a prisão usando a tornozeleira:

Quem tem direito

- Presos em regime aberto, semiaberto e em prisão domiciliar, além dos que têm direito a indultos.

Como funciona

- O equipamento emite, a cada minuto, sinais que dão a localização do preso. Se a pessoa fugir, retirar o lacre do equipamento ou sair do trajeto preestabelecido, um sinal é emitido a uma central, que aciona uma equipe para fazer a captura do preso, que voltará ao regime fechado.

Opinião

Aparelho atesta ineficiência do Estado, diz advogado

A adoção do monitoramento eletrônico atesta a ineficiência do Estado em providenciar condições dignas dentro das penitenciárias. A opinião é do advogado criminalista e professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Daniel Laufer. Ele acredita que o monitoramento ajudará a combater a superlotação, mas não ajudará a diminuir a criminalidade. O Estado deve pensar em alternativas para diminuir a violência nas prisões, que contribuem para a reincidência. "As cadeias estão em péssimo estado, tomadas pelo crime organizado. Muitos presos, inclusive, certamente optarão pelo monitoramento para fugir da violência que impera lá dentro." Para o criminalista e professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Jacinto de Miranda Coutinho, o estado erra ao ver o monitoramento apenas como forma de diminuir a superlotação. "Tem de ser visto como uma alternativa ao inferno que são os presídios, e como uma forma de reinserir a pessoa na sociedade, evitar a reincidência. Se for apenas para colocar o criminoso na rua e arejar as prisões, a sociedade pagará o preço."

O monitoramento eletrônico de presos, prestes a ser implantado em São Paulo e Rio Grande do Sul, deve levar mais tempo para sair do papel no Paraná. O sistema para controlar presos em progressão de pena ou indultos virou lei nacional em junho, mas a falta de regulamentação impede que a Se­­cretaria da Justiça do Paraná (Seju) inicie licitação para a contratação da empresa que fornecerá os equipamentos – tornozeleiras que ficam presas ao corpo do preso e fornecem a sua localização, além de apitarem em caso de fuga.

O secretário José Moacir Fa­­vetti esteve reunido ontem com o secretário executivo do Ministério da Justiça Daniel Vila-Nova, técnicos do Instituto de Tecnologia para o Desen­vol­vimento (Lactec) e a empresa Spacecom, que fabrica as tornozeleiras a serem usadas em São Paulo. Favetti queria conhecer melhor o produto e discutir a viabilidade da implantação, uma vez que ainda não se sabe de onde virão os recursos para a compra dos equipamentos, nem quem fará a fiscalização dos presos e quantos poderão ser beneficiados.

"A discussão sobre não incorrermos numa eventual inconstitucionalidade, ao adotar a medida, é importante que seja amplamente debatida antes de implantarmos o sistema nos apenados do estado", declarou o secretário à Agência Estadual de Notícias.

No país, pelo menos 20 estados já iniciaram os testes com o equipamento desde 2007. Em São Paulo foi assinado ontem um contrato com um consórcio encabeçado pela Spacecom para que equipamentos para 4,8 mil detentos sejam entregues até o indulto de Natal. Uma lei estadual de 2008 permitiu ao estado aportar recursos do orçamento para a contratação do serviço, que será ofertado por 30 meses ao custo total de R$ 50,1 milhões.

No Paraná, uma lei semelhante proposta pelo deputado Plauto Miró (DEM), em 2009, acabou arquivada por inconstitucionalidade. Para o advogado criminalista e professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Jacinto de Miranda Coutinho, tanto a lei paulista como uma lei paranaense seriam inconstitucionais. "Por se tratar de questão penal, essa matéria é de competência exclusiva da União. O estado não pode legislar em concorrência com a União. Isso fere a Constituição".

Para Coutinho, apenas a regulamentação tiraria o monitoramento do papel. "Ela é que determinará a quem cabe fiscalizar os presos, de onde virá o dinheiro para a compra das tornozeleiras, entre outras questões." Ele ainda afirma que a Lei 12.258, que prevê o monitoramento, pode ser declarada inconstitucional por não dar ao preso o direito de escolher se quer ou não ser assistido pela tornozeleira. "Da forma como está escrito, diz-se que o juiz é quem determina o monitoramento no caso de o preso ter direito à progressão de pena. Mas o preso é quem deve decidir se quer ficar na prisão ou ir para a rua monitorado. O preso deve assentir com isso, pois é um constrangimento portar esse equipamento", afirma.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.