Georgina: “Era triste ver meu filho pedindo comida de casa em casa” | Hedeson Alves / Gazeta do Povo
Georgina: “Era triste ver meu filho pedindo comida de casa em casa”| Foto: Hedeson Alves / Gazeta do Povo

Eden Paulo Ferreira, 36 anos, perdeu o emprego, a namorada, foi expulso de casa. Segundo familiares e amigos, ele cometeu diversos furtos e roubos. Chegou a ameaçar a ex-namorada com uma faca, na casa dela durante uma noite, no Bairro Alto, em Curitiba. Os delitos e a violência têm um motivo: a dependência química. Ferreira começou cheirando cocaína aos 22 anos e hoje é viciado em crack.Ferreira está internado em uma chácara evangélica para dependentes químicos em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. Está lá há duas semanas por vontade própria e por ajuda da família e da ex-namorada."Era triste ver meu filho pedindo comida de casa em casa", conta a mãe de Ferreira, Georgina.

O filho dela foi expulso de casa pelo pai após trocarem agressões físicas. Georgina chegou a pensar que Ferreira estaria melhor morto do que nas condições em que se apresentava. Magro, agressivo e desorientado, diversas vezes procurou pela ex-namorada em momentos de desespero. Ela prefere não se identificar.

Mas foi com a ajuda dela que Ferreira começou a busca por ajuda. Ele já havia procurado, inclusive, o Centro Psiquiátrico Metropolitano, mas, como não mora na região metropolitana, não podia ser atendido.

Mesmo vítima em muitos momentos, a moça procurou com Ferreira o Centro Municipal de Urgência Médica (CMUM) do bairro Boa Vista, no dia 8 de setembro. Após o atendimento, ele foi orientado a manter acompanhamento na Unidade de Saúde do bairro Tarumã. Apesar das tentativas, as consultas não foram suficientes para ele.

Ferreira buscou ajuda na Comunidade Hermom, em Colombo, onde hoje está internado com a esperança de retornar à casa de sua família e recomeçar a vida, deixada de lado pelo crack. "Eu creio que meu filho vai sair de lá bem e voltar para casa", mantém as esperanças a mãe.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]