i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
saúde

Servidores questionam funcionamento do SAS em Curitiba

Usuários do plano de saúde oferecido pelo governo estadual encontram dificuldades no agendamento de consultas, cirurgias e exames clínicos no Hospital da Polícia Militar

  • PorPedro Américo, especial para a Gazeta do Povo
  • 17/04/2013 18:01

Os servidores estaduais, que fazem uso do Sistema de Assistência a Saúde (SAS) oferecido pelo Governo do Paraná, estão encontrando dificuldades no agendamento de consultas, cirurgias e exames clínicos realizados no Hospital da Polícia Militar de Curitiba. O plano atende cerca de 118 mil funcionários do estado, e desde 2011 ele está conveniado com o hospital da capital.

O aposentado Ari Carlos Ribeiro, 77 anos, tem sentido os efeitos dos problemas encontrados no serviço. "Faz dois meses que estou tentando marcar uma consulta com o urologista. Mas o telefone para marcação não está funcionando, e tenho que ir ao hospital para marcar pessoalmente. Só que teve vezes que não consegui encontrá-lo disponível", conta o ex-servidor da educação. "Eles me dizem que o centro cirúrgico está fechado, que está faltando um equipamento. Chegaram a me falar até que o governo não está pagando em dia as contas do hospital", completa.

Na última terça-feira (16), depoimentos de funcionários do governo, que vivem em Curitiba, sobre os empecilhos encontrados para a marcação de exames clínicos, como um exame de sangue, foram apresentados pelo telejornal ParanáTV, da RPCTV.

Segundo Heitor Rubens Raimundo, coordenador do Fórum das Entidades Sindicais do Paraná (FES), não é de hoje que o funcionamento do SAS não corresponde com as necessidades da população. "Desde que foi implantado ele tem dificuldades por equívocos na execução. Afinal, ele funciona por número de pessoas atendidas, e não por execução de serviços. A lógica dele faz com que, quanto menos gente atendida, maior o lucro de quem paga o funcionamento".

Raimundo, que também é diretor do Sindicato Estadual dos Servidores Públicos da Agricultura, Meio Ambiente, Fundepar e Afins (Sindiseab) afirma que muitas reclamações foram feitas sobre os serviços, e que já foram apresentadas diversas opções aos responsáveis pelo plano de saúde. Porém, ele lamenta que nunca tenham sido colocadas em prática.

"Já dissemos para ampliar os serviços, para descentralizar a rede, para criar uma gestão democrática e paritária. Mas nada adiantou. Estamos discutindo que é melhor acabar de vez com o SAS. Esse dinheiro poderia ser investido em outras coisas, como um auxílio-saúde para os servidores", completa.

De acordo com a assessoria da Polícia Militar, os investimentos necessários estão sendo feitos para minimizar as falhas no serviço do hospital da instituição. Algumas das pendências financeiras do SAS já estão sendo liquidadas, o que irá contribuir para melhorar o atendimento. A entidade também afirma que o ajuste gradual está sendo realizado, mas que ainda não há um prazo definitivo para conclsão dos ajustes.

A reportagem procurou a Secretaria da Administração e Previdência do Estado (SEAP), responsável pelo sistema, mas não encontrou um responsável disponível para se pronunciar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.