O Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná (Sinclapol) começa, a partir desta sexta-feira (31), uma série de ações para alertar a população sobre a superlotação de presos nas delegacias de Curitiba e região metropolitana. A manifestação inclui faixas e cartazes nas delegacias, panfletagem e outdoors.

De acordo com o presidente do Sinclapol, André Luiz Gutierrez, a partir das 9 horas desta sexta-feira serão colocadas faixas nas delegacias que abrigam o maior número de presos na capital: na Furtos e Roubos, na Furtos e Roubos de Veículos e nos 9º, 11º e 12º Distritos Policiais. "Vamos começar amanhã [sexta-feira] de manhã, mas a intenção é que todas as delegacias tenham essa faixa de alerta ao cidadão", disse Gutierrez.

A faixa, segundo ele, terá uma mensagem direcionada à população, que explica a razão de muitos crimes não terem sido solucionados ainda. "Vai explicar ao cidadão por que a polícia não o atende da maneira que ele deveria ser atendido. A solução é simples: porque os investigadores estão cuidando de presos", declarou.

Como parte das ações também está prevista a produção de cartazes, que serão colocados em todas as delegacias, e de panfletos, que devem ser distribuídos nas ruas. O Sinclapol também pretende colocar outdoors com a mensagem de alerta pela Grande Curitiba.

De acordo com Gutierrez, o problema nas carceragens acontece em todo o Paraná. "São presos condenados, que já deveriam estar em cadeia pública, sob os cuidados da Secretaria de Justiça, dentro das delegacias. Aqui em Curitiba, uma delegacia onde cabem 32 pessoas tem 150 presos. Isso viola a lei de execução penal e a própria condição dos direitos humanos do preso", disse. "Não adianta uma medida paliativa, tem que tirar os presos de uma vez."

Outro lado

Em nota, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) declarou que "o governo do Paraná tem um objetivo claro de mudar esse quadro de custódia indevida de detentos em delegacias, conforme já foi dito pelo secretário da Segurança Pública, Reinaldo de Almeida Cesar, e também pelo governador Beto Richa. Até 2014, o Paraná deve ter novos estabelecimentos penais que vão somar novas vagas ao sistema penitenciário estadual".

A Sesp também relembra o decreto assinado em março deste ano, que estabelece a transferência de todos os presos em delegacias para as unidades prisionais. "Segundo a determinação do governador, até o final de 2013 os presos de 29 carceragens geridas pela Secretaria da Segurança Pública devem ser transferidos para o Sistema Penitenciário Estadual. Com isso, a responsabilidade de guarda fica a cargo da Secretaria da Justiça." A Secretaria acrescenta que a migração dos presos é gradual e depende da abertura de vagas no sistema.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]