Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Jonathan Padilha/Blog Olho Aberto
| Foto: Jonathan Padilha/Blog Olho Aberto

O mecânico Vilson Neves, 43 anos, estava no helicóptero modelo Robinson R44 Raven I que caiu durante a Festa do Charque, em Candói, na região Centro-Sul do Paraná, no último domingo (31). Ele contou à Gazeta do Povo o que ocorreu antes e durante o acidente, que deixou seis vítimas com ferimentos leves.

No helicóptero, além do piloto, estavam cinco pessoas. Cada um pagou R$ 80 pelo passeio, uma das atrações da festa. Neves ficou na frente, ao lado do piloto. O cunhado de Neves e o pai dele estavam no banco traseiro, cada um com uma criança no colo. "O piloto tentou levantar voo, mas só subiu uns cinco metros. Depois voltou ao chão e pediu para o pessoal de trás inverter de posição.", conta.

Na segunda tentativa, relata Neves, o helicóptero voou uns 100 metros e bateu com a hélice na rede de energia elétrica. "Sentimos o baque e o estouro e, como eu estava na frente, vi vários pedaços da aeronave. Nessa hora, eu pensei que todos iríamos morrer". De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), helicópteros do tipo Robinson R44 Raven I, como o que caiu, podem transportar no máximo três pessoas, além do piloto.

Helicóptero irregular

Além de estar com capacidade superior à estabelecida, a aeronave, que pertence ao piloto Geovane Fagner Polli, estava com o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) vencidos.

A reportagem entrou em contato com Polli. Ele disse que não poderia falar, pois estava no hospital para fazer "procedimentos rotineiros". Quando questionado sobre a documentação vencida, relatou que não escutava mais nada e desligou o telefone. Depois disso, não atendeu mais as ligações.

Lesão corporal

De acordo com o delegado Alexandre Maciel, responsável pelo caso, o piloto pode ser indiciado por lesão corporal culposa. "A investigação ainda está em andamento, mas imagino que o inquérito, que deve ser instaurado em breve, apontará isso", relata.

O acidente também é averiguado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB). Segundo a assessoria de imprensa do órgão, "não há nenhuma novidade sobre o caso e a apuração dos fatos ocorre normalmente".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]