i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
acessibilidade

Tecnologia a favor da inclusão

  • PorRafael Waltrick
  • 21/03/2013 21:11
 | Joka Madruga
| Foto: Joka Madruga

Governo facilita acesso a aparelhos

Uma portaria do governo federal publicada no fim do ano passado aumentou de 30 para 250 o número de produtos de tecnologia assistiva que podem ser adquiridos por meio do programa BB Crédito Acessibilidade, do Banco do Brasil. O programa oferece uma linha de crédito com juros baixos para deficientes ou pessoas próximas (como parentes e vizinhos), que queiram comprar um aparelho que se enquadre na lista.

Os produtos contemplados vão desde talheres adaptados e softwares de teclados virtuais até elevadores adaptados e impressoras em braile. Os juros variam de 0,57% a 0,64% ao mês e o bem ou serviço pode ser inteiramente financiado, com limite máximo de até R$ 30 mil por pessoa. O prazo para quitação é de quatro a 60 meses. Para acessar a linha de crédito, é preciso ser correntista do Banco do Brasil. Mais detalhes do programa e a lista completa dos produtos pode ser acessada no link http://bit.ly/xwuhMy. (RW)

Eles correspondem a praticamente um terço da população brasileira, mas ainda encontram dificuldades para se comunicar e se locomover em qualquer cidade. Segundo o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há hoje no país cerca de 46 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, além de 23,5 milhões de idosos, que, em grande parte, têm limitações de locomoção.

A falta de profissionais capacitados para atender pessoas com deficiência visual e auditiva em órgãos públicos e a precariedade dos passeios permanecem como os principais entraves para que esses brasileiros possam usufruir e participar do convívio urbano. Restrições que já estão sendo vencidas, em parte, com o auxílio da chamada tecnologia assistiva: equipamentos e softwares voltados para promover a acessibilidade das pessoas com deficiência, dentro de casa ou nas ruas.

Já disseminados no exterior, esses produtos começam a se tornar mais presentes no Brasil e no Paraná. Neste mês, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) inicia a implantação de centrais de atendimento a surdos com intérpretes virtuais. Em outras frentes, pesquisadores paranaenses desenvolvem aparelhos para garantir vagas de estacionamentos para quem tem deficiência física ou permitir que pessoas tetraplégicas possam navegar na internet.

"Acessibilidade não é só a largura das portas dos banheiros ou rampas no lugar de escadas. É permitir a comunicação, a facilidade no transporte. Nesses casos, a tecnologia pode ser o melhor caminho", afirma o engenheiro-mecânico Sergio Yamawaki, inventor do Totem de Acessibilidade.

De longe, em Libras

Desenvolvido nos Estados Unidos e comercializado no Brasil por uma empresa de Londrina, o Vpad é um instrumento semelhante a um tablet que permite uma espécie de teleconferência com intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (Libras). Neste mês, 25 aparelhos serão instalados em unidades do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR). O surdo aciona o Vpad e o intérprete passa a atendê-lo, ao mesmo tempo em que repassa as informações e pedidos para o funcionário do Crea-PR que estará junto do aparelho. O Vpad também serve para uso doméstico – o surdo chama a central e o intérprete liga para o telefone desejado.

Bengala eletrônica

As bengalas eletrônicas surgiram nos Estados Unidos e servem para impedir que cegos, ao caminhar por calçadas e ruas, batam de frente em orelhões, postes e árvores. Através de emissões de ondas, como em um sonar, os aparelhos conseguem avisar ao cego que em frente dele há um objeto. Para isso, a bengala vibra ou emite um bip – quanto mais intensa a vibração, mais perto o objeto. Os aparelhos importados ainda são caros – em torno de 1,5 mil a 2 mil dólares – mas, recentemente, pesquisadores da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em Santa Catarina, criaram uma bengala nacional, com as mesmas funcionalidades.

Totem dedo-duro

Criado pelo engenheiro curitibano Sergio Yamawaki, é um painel eletrônico que pode ser instalado junto a vagas de estacionamento para idosos e pessoas com deficiência física. A ideia é que credenciais eletrônicas, em forma de chips, sejam entregues para aqueles que têm direito às vagas. Assim, quando outro motorista tenta utilizar o espaço indevidamente, aparece um aviso no painel eletrônico e, caso o condutor permaneça no local, avisos sonoros chamam a atenção do infrator – e de quem estiver por perto. O totem já foi apresentado em Brasília para o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e a expectativa é que ele possa ser implantado em larga escala no país em breve, começando por Curitiba.

Cursor inteligente

O grupo Imago, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), especializado em tecnologia de ponta, aprimora atualmente uma ferramenta que nasceu no Departamento de Informática da instituição. Chamado de MouseEye, o software permite que pessoas tetraplégicas possam mover o cursor na tela de um computador usando os olhos. Uma câmera reconhece o rosto do usuário e identifica a direção do movimento desejado. O clique é realizado piscando os olhos. Criado para ser usado com uma webcam normal, o MouseEye está sendo testado com câmeras 3D, que devem aprimorar o reconhecimento. "Ferramentas como essa permitem que o deficiente tenha uma interação mais prática, que não seja cansativa ou tediosa", afirma o professor Luciano Silva, um dos coordenadores do Imago.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.