i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
judiciário

TJ tem um ano para estatizar cartórios no PR

Conselho Nacional de Justiça dá 60 dias para tribunal apresentar plano para assumir serventias judiciais

  • PorHeliberton Cesca
  • 14/09/2010 21:03

Por unanimidade, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou ontem prazo de um ano para que o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) cumpra a Cons­ti­tuição Federal e assuma a administração dos cartórios judiciais – locais on­­de são protocolados e tramitam todos os processos da Justiça. A medida, chamada de estatização, vale para os cartórios distribuidores e das Varas de Família, Cívil e Fa­­zenda do estado, concedidos à iniciativa privada depois da promulgação da Constituição de 1988. As Varas Criminais já estão sob controle público. O TJ-PR informou que já elabora estudos para executar a estatização e prometeu iniciar o procedimento em janeiro do ano que vem em 35 cartórios.

A determinação do CNJ – que acatou o relatório do conselheiro Milton Nobre – vale para cerca de 300 serventias dos aproximadamente 400 cartórios judiciais do estado, segundo o site da As­­so­­ciação dos Serventuários da Justiça do Paraná (Assejepar). Os outros cartórios estariam em situação regular porque teriam sido concedidos a cartorários antes de 1988, por isso eles não se­­riam atingidos pela atual Cons­­tituição. O presidente da As­­se­jepar, Rodrigo Wag­­ner, afirmou, por meio da assessoria de imprensa, que a discussão sobre a estatização não está encerrada, apesar da decisão do CNJ on­­tem. Para ele, o Supremo Tribunal Federal (STF) poderá ser acionado. "Os titulares desses cartórios que se sentirem prejudicados podem entrar com recurso no STF para tentar reverter a decisão."

Em nota, o TJ-PR afirma que estuda a estatização dos cartórios judiciais e que o procedimento deverá começar a ser executado em janeiro do ano que vem em 35 serventias. "A presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná criou uma comissão para cuidar do processo de estatização, já estando em curso a realização de inventários destinados ao levantamento do número de processos judiciais existentes nas referidas serventias, bem como a execução de cursos de treinamento de funcionários que vão atuar nessas unidades."

Recursos e indenização

Com a estatização, o TJ-PR terá de conseguir recursos para pagar os sa­­lários dos funcionários de cada cartório e investir na modernização das serventias. Teori­ca­mente, o dinheiro pode vir das custas co­­bra­­das no trâmite dos processos ju­­diciais, mas nunca foi tornado público um estudo que mostre que a arrecadação cubra as despesas. Apesar des­­sa arrecadação ser feita hoje pelos cartorários privados e garantir a eles o pagamento de despesas mais uma remuneração pela admi­­nistração do local.

Além disso, cogita-se que os atuais titulares dos cartórios judiciais vão entrar com processos de indenização contra o Tribunal de Justiça.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.