i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Antes de decisão sobre inquérito

Após pedido da PGR, Toffoli autoriza que Ribeiro seja ouvido sobre suposto caso de homofobia

  • PorGazeta do Povo e Estadão Conteúdo
  • 07/10/2020 19:23
Ribeiro poderá ser investigado por homofobia
Milton Ribeiro, ministro da Educação.| Foto: Isac Nóbrega/PR

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou que o titular do Ministério da Educação (MEC), Milton Ribeiro, preste esclarecimentos sobre suposta prática de homofobia, antes de que seja formalizada ou não a abertura de inquérito.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) havia solicitado abertura de inquérito para apurar a conduta de Ribeiro após entrevista publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 24 de setembro. Na reportagem, o ministro da Educação relacionou a homossexualidade de jovens a "famílias desajustadas". O vice-procurador-geral, Humberto Jacques de Medeiros, classificou as declarações do ministro como "depreciativas a pessoas com orientação sexual homoafetiva" e disse que Ribeiro fez "afirmações ofensivas à dignidade do apontado grupo social".

A decisão de Toffoli não significa, porém, que Milton Ribeiro não poderá ser investigado. Na prática, o ministro do Supremo criou uma etapa antes da possível investigação.

"Quanto à diligência requerida pela Procuradoria-Geral da República, consistente na ouvida do e. Sr. Ministro da Educação, Milton Ribeiro, defiro-a. É que, em inquéritos relativos a autoridades com foro por prerrogativa de função, é do Ministério Público o mister de conduzir o procedimento preliminar, de modo a formar adequadamente o seu convencimento a respeito da autoria e materialidade do delito. Nesse contexto, deve ser autorizada a providência requerida para que possa instruir eventual pedido de instauração do inquérito", afirmou Toffoli no despacho.

Sobre a entrevista, Ribeiro divulgou nota para informar que sua declaração foi "interpretada de modo descontextualizado" e pediu desculpas. "Jamais pretendi discriminar ou incentivar qualquer forma de discriminação em razão de orientação sexual", escreveu o ministro. "Nesta oportunidade, diante de meus valores cristãos, registro minhas sinceras desculpas àqueles que se sentiram ofendidos e afirmo meu respeito a todo cidadão brasileiro, qual seja sua orientação sexual, posição política ou religiosa", declarou.

Procurado, o MEC informou que não irá se manifestar sobre a questão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.