i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
SINAL DE ALERTA

UFPR ganha luz azul no Dia Mundial da Diabete

  • 15/11/2007 20:07
 | Sossella
| Foto: Sossella

O prédio da Universidade Federal do Paraná (UFPR) na Praça Santos Andrade, Centro de Curitiba, ficou iluminado de azul na noite de ontem, Dia Mundial da Diabete. Simultaneamente, monumentos históricos em todo o mundo foram iluminados com a mesma cor. Com a iniciativa, a Federação Internacional e a Sociedade Brasileira de Diabetes buscam alertar a população para o crescimento da doença. As lâmpadas que compõem o sistema de iluminação do prédio da UFPR foram cobertas com um filtro azul e acesas a partir das 19 horas.

De acordo com o representante da Sociedade Brasileira de Diabetes no estado, Edgar Niclewicz, que é médico e professor da UFPR, existem hoje 200 milhões de diabéticos no planeta e estima-se que esse número salte para 350 milhões até 2025. No Brasil, 12 milhões de pessoas são portadoras da doença.

O modo sedentário de vida e a má alimentação das pessoas preocupam o médico. Hoje, a diabete do tipo 2, até há pouco tempo adquirida apenas por adultos, já começa a se manifestar em crianças. Edgar Niclewicz ressalta que a doença não existia há 200 anos, porque as pessoas tinham hábitos mais saudáveis: só andavam a pé e comiam apenas o necessário para a sobrevivência.

Os médicos querem chamar a atenção das pessoas para as graves complicações da doença. Além do risco de enfarte do miocárdio e de problemas renais, os diabéticos que não tiverem tratamento adequado estão sujeitos a seqüelas irreversíveis, como amputações e até a cegueira.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.