Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Um Parolin de outros tempos

Patrimônio

Um Parolin de outros tempos

Residência da família que deu origem ao bairro homônimo em Curitiba será restaurada para virar sede administrativa de Templo Maçom

  • Pollianna Milan
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Um Parolin de outros tempos

Parece que ainda é possível ouvir os gritos das mulheres vindos da cozinha em dia de jogo do Atlético. É que as nove damas, filhas de Antonio e Maria, eram fanáticas pelo Rubro-Negro que tinha, entre os jogadores, o cunhado Ceccattinho. Quando a bola entrava em campo, os homens iam para a casa do tio Piti, enquanto elas, durante os 90 minutos, se apinhavam na cozinha para torcer e cuidar do doce de goiabada que dava ponto no tacho de cobre. A vida na casa da chácara, como era chamado carinhosamente o casarão Parolin pelos seus proprietários, reproduzia fielmente as tradições da imigração italiana no Brasil da metade do século 19. Toda a família se reunia ao redor da mesa, numa grande cozinha que existia como se fosse um anexo do lar. Era ampla para carnear o gado e o porco, mas também para elas, juntas, ouvirem o rádio enquanto alguma coisa assava no forno à lenha.

A casa, construída no início do século 20 pelas mãos de Antonio Parolin, era a sede de uma fazenda que deu início à colonização naquela região. E o que não faltava no fogão era pinhão na chapa ou cozido em água salgada. Laís, a neta de Antonio e Maria e filha de Ceccattinho, lembra. “Se o sertão era o mundo para Guimarães Rosa, a chácara do meu avô era o meu mundo”, diz, sorrindo. Que o diga o cavalo velho de nome Tostado, que era feito de gato e sapato pelas meninas do Parolin. Travesseiro servia de sela e algum cordão achado em casa era o arreio. “São tempos que não existem mais. As galinhas eram criadas soltas e nós íamos procurar os ovos que elas botavam por todo aquele terreno.” O local tinha 100 alqueires de área e, quando começou a ser loteado, por aclamação popular, passou a se chamar Vila Parolin em homenagem a Antonio e Maria e seus 16 filhos. O próprio tombamento estadual da casa, na década de 1990, chegou a relatar que as características arquitetônicas eram modestas, mas que o reconhecimento histórico se justificava pela importância que ela teve ao bairro e também para a indústria paranaense: Antonio e os dois irmãos, João e Bortolo, foram grandes empresários da madeira e da olaria.

Strauss e coquinhos

Há ainda uma peculiaridade: do sótão habitável da casa, dava para ver a cidade a partir de um dos três óculos da fachada (buraco arredondado feito para ventilar a casa naturalmente). A vida que não existe mais também está marcada em resquícios no chão do antigo jardim geométrico, onde as meninas dançavam alegremente valsas de Strauss. Entre uma música e outra saboreavam os coquinhos do butiazeiro ainda em riste no terreno.

Todas essas histórias perdem seu sentido facilmente para quem passa hoje pela Rua Brigadeiro Franco e enxerga de longe uma casa morta, com portas e janelas cimentadas. A ação tem justificativa: o imóvel poderia não existir mais se não fosse a ação da Grande Loja Maçônica do Paraná, atual proprietária do espaço. A parte interna, que tinha chão, escada e sótão habitável de madeira, se perdeu com o fogo feito pelos moradores de rua. Por sorte grande, foi nas mãos do próprio Templo Maçom que a residência agora será restaurada para virar sede administrativa e um museu particular.

Restauração vai se basear em fotos antigas

Está nas mãos do arquiteto Dirceu Contti restaurar e recriar o que foi um dia o Casarão Parolin. Ele começa o restauro neste ano e, para conseguir reproduzir o que era a casa por dentro, recorreu às lembranças familiares e às fotografias antigas. “Não existe mais nada no interior. Consegui entrar uma vez pelo telhado e o que sobrou foi chão batido e um monte de fezes de pomba”, conta. Dirceu conseguiu visualizar como era a escada de madeira por meio de uma foto antiga. Ele também descobriu que os lambrequins (que adornam o beiral) não são originais e, o pior: os que existem hoje estão colocados de maneira errada (ao invés de ficarem em pé, estão de lado).

As divisões internas de alvenaria ainda existem, assim como a fachada, que continua original. As janelas têm duas folhas, já que não havia cortinas naquela época. Existem também os três óculos e uma pequena parte do que foi a cozinha anexa à casa.

Só o sótão tinha 83 m² e abrigava, de um lado, um enorme quarto para os meninos e, do outro, o das meninas. “Era uma casa típica de bairro europeu. Burguesa, mas de periferia, distante do centro”, explica Contti.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE