Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Verão
  4. O pedaço açoriano de Bombinhas

Patrimônio

O pedaço açoriano de Bombinhas

  • Raphael Marchiori, especial para a Gazeta do Povo
Olhando para o futuro: Rosane resgatou cultura do século 18 |
Olhando para o futuro: Rosane resgatou cultura do século 18
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Os parentes mais distantes dos Luchtenberg podem não acreditar, mas alguém de uma das famílias que perpetua esse sobrenome germânico tem ajudado a preservar a memória da cultura açoriana em Bombinhas, cidade do litoral centro-norte de Santa Catarina. A façanha é de Rosane Luchtenberg, 61 anos, responsável pelo Museu Comunitário Engenho do Sertão, um dos quatro espaços da cidade que podem servir como rotas alternativas às badaladas praias do balneário.

A ligação de Rosane com a cultura açoriana começou em 1997, quando ela se propôs a mapear engenhos de farinha de Bombinhas. “Havia me mudado com a família para montarmos uma pousada, mas comecei a ficar incomodada por não conhecer a cultura local. Por isso fui atrás dos engenhos”, explica a gestora do museu.

À época, com o recém criado Instituto Boi Mamão, Rosane diz ter mapeado nove engenhos que sobreviveram à expansão imobiliária da cidade – que, com suas belas praias e locais para mergulho, torna-se um dos principais destinos turísticos do sul do país. Todos, porém, demandavam cuidados, e por isso ela arregaçou as mangas para restaurar dois deles. O trabalho contou com a aprovação em um projeto do Ministério da Cultura e recursos da Lei Rouanet.

Graças à restauração dos dois engenhos, turistas e moradores da cidade catarinense agora encontram viva uma história que começou no século 18, quando portugueses chegaram a Santa Catarina e aperfeiçoaram técnicas indígenas para a produção da mandioca.

Farinha

O antigo engenho, que já funcionou movido à tração animal, fica no número 452 da rua Abacate, no bairro Sertãozinho. Ali, além de poderem ver uma estrutura preservada do engenho, com direito a prensa, o paiol e o rodete, visitantes podem assistir apresentações de cantadores e do teatro de bonecos que remetem à tradicional festa do Boi Mamão – expressão folclórica açoriana para celebrar a ressurreição do boi.

Apesar de celebrar a preservação do espaço e manutenção das atividades folclóricas, Rosane comemora outra vitória: a volta da fabricação de farinha em engenhos da cidade. “Já chegamos a ter 70 engenhos na cidade, mas eles foram acabando. Hoje, temos apenas 15, mas cinco deles fabricam farinha e sustentam as famílias”, celebra a ascendente, alemã de origem, mas açoriana de coração.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE