• Carregando...
A família de Renata Picoloto investiu em um curso preparatório para conseguir uma vaga no ensino médio da UTFPR | Daniel Castellano / Gazeta do Povo
A família de Renata Picoloto investiu em um curso preparatório para conseguir uma vaga no ensino médio da UTFPR| Foto: Daniel Castellano / Gazeta do Povo

930 vagas são ofertadas a cada ano pelo IFPR, aproximadamente. Os cursos mais concorridos são de Informática Integrado ao Ensino Médio, com 9,66 candidatos por vaga, e Programação de Jogos Digitais Integrado ao Ensino Médio, com 8,68 candidatos por vaga.

Tome nota

Fique atento aos períodos de inscrição de algumas das principais instituições de ensino gratuitas que promovem processos seletivos na educação básica:

UTFPR

A instituição reserva 50% das vagas para estudantes que tenham estudado todo o ensino fundamental em escolas públicas. Inscrições: de 2 de maio a 3 de junho de 2014, para início no segundo semestre deste ano.

Taxa de inscrição: R$ 35.

Prova: 22 de junho de 2014.

Resultado: 11 de julho de 2014

Informações: www.utfpr.edu.br

Colégio Militar de Curitiba

Oferece desde o 6º ano do Ensino Fundamental até o 3º ano do Ensino Médio, mas o ingresso no colégio só é possível no 6º ano, por meio de concurso público federal com duas fases. O número de vagas varia a cada ano. O site da instituição deixa disponível para download as provas dos anos anteriores (www.cmc.ensino.eb.br).

Inscrições: a partir de agosto.

Provas: a primeira em outubro e a segunda em novembro. Há ainda exame médico.

Taxa de inscrição: R$ 80 (valor do último exame).

Informações: 3151-5988 ou pelo e-mail rp@cmc.ensino.eb.br

Colégio da Polícia Militar

Oferece desde o 6º ano do Ensino Fundamental até o 3º ano do Ensino Médio. Para estas séries, o ingresso ocorre por meio de teste classificatório. A previsão de vagas para o próximo ano letivo é, no Ensino Médio, de 60 vagas para dependentes de policiais militares (PM) e 30 vagas para não dependentes PM; para ingresso no 6º ano do Ensino Fundamental a previsão é de 80 vagas para dependentes de PM e 40 para não dependentes.

Inscrições: previsão para setembro.

Prova: previsão para final de novembro.

Taxa de inscrição: R$ 60 (valor do último exame).

Informações: www.apmf-cpm.com.br ou 33148050.

SESC-São José

Oferece em torno de 830 vagas de Ensino Médio a alunos que comprovem ter renda familiar de até três salários mínimos. A seleção é feita por meio de uma prova de produção de texto.

Período de inscrições: a partir da 2ª quinzena de agosto de 2014.

Taxa de inscrição: gratuita.

Data da prova: novembro de 2014.

Resultado: Novembro de 2014.

Informações: www.saojosecuritiba.com.br ou 2105-5238.

IFPR

Oferece oito cursos técnicos integrados ao ensino médio com 35 vagas cada. A instituição reserva 45% de suas vagas para estudantes que tenham estudado todo o ensino fundamental em escolas públicas. 25% das vagas é destinada a cotistas raciais 30% para a concorrência geral.

Inscrições: previsão para agosto.

Prova: previsão para outubro.

Taxa de inscrição: R$ 35 (valor do último exame).

Informações: reitoria.ifpr.edu.br

Setor de Educação Profissional e Tecnológica da UFPR (antiga Escola Técnica)

Oferece 30 vagas no curso técnico em Petróleo e Gás integrado ao ensino médio. A instituição reserva 50% das vagas para estudantes que tenham estudado todo o ensino fundamental em escolas públicas.

Inscrições: previsão para outubro, ainda sem data definida.

Prova: previsão para início de dezembro.

Taxa de inscrição: R$ 40 (valor do último exame).

Informações: www.sept.ufpr.br

  • Elisa conquistou uma bolsa de estudo para o ensino médio

O 9.º ano do ensino fundamental gerou mais expectativa para a estudante Renata Picoloto, 17 anos, do que qualquer outra série escolar pela qual passou até agora. Após passar boa parte da vida escolar na rede municipal, ela e seus pais queriam garantir um ensino médio de qualidade, mas que não custasse muito. A opção mais viável foi a rede federal, famosa pelos bons resultados em exames de desempenho, e na qual a matrícula depende de aprovação em processo seletivo. Para Renata, foi como um primeiro vestibular.

O caso da família Picoloto é típico na classe média: a renda familiar fica acima do permitido para se beneficiar de programas sociais – como o Pronatec, que garante bolsas para cursos técnicos – mas também não é suficiente para arcar com as caras mensalidades de boas escolas privadas de Ensino Médio. Como os colégios estaduais desse ciclo estão longe de atender às expectativas das famílias, pais e filhos têm unido esforços numa acirrada competição por vagas.

Na ocasião, Renata prestou exames para cursos técnicos de nível médio na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e no Instituto Federal do Paraná (IFPR). Para garantir o preparo adequado, os pais de Renata, Fernando e Ivanete, procuraram por um curso preparatório de seis meses. "Nós sabíamos que nos apertaríamos um pouco, mas era um investimento importante para aprovação, e seria por um prazo bem menor do que se pagássemos todo o ensino médio na rede privada", conta Ivanete. A estratégia deu certo. Depois de um semestre intenso de estudos, Renata foi aprovada no curso técnico integrado ao Ensino Médio de Segurança no Trabalho, ofertado pela UTFPR.

Planejamento

Planejamento também é essencial às famílias que pretendem matricular os filhos em instituições que juntem gratuidade e qualidade já no Ensino Fundamental. Em Curitiba, o Colégio da Polícia Militar (CPM) é um dos poucos a aplicarem processos seletivos desde o 6º ano.

Dono do mais alto Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) na rede estadual – 6,8 – o colégio reserva cerca de 60% de suas vagas aos dependentes de policiais militares e bombeiros. Os civis que anseiam por matricular seus filhos na instituição disputam uma média de 40 vagas por ano.

O microempresário Luis Schramm encarou o desafio e conseguiu matricular seus dois filhos na instituição. Ele reforça a importância do investimento num curso preparatório e das horas de estudo em casa, mas diz que não teve de fazer pressão, já que o assunto é recorrente entre alunos do 5.º ano. "Os colegas comentam da possibilidade de passar lá, e quando um passa, é suficiente para que os outros também queiram ir", conta. Maria Vitória, 12 anos, a caçula de Schramm, aprovou a mudança de um colégio estadual comum para o CPM. "As aulas são melhores e os alunos levam o estudo mais a sério", afirma.

Cotas sociais e bolsas também são opções

Quem não tem condições de pagar um curso preparatório para garantir bom desempenho nos exames de seleção de nível médio pode usufruir das cotas sociais oferecidas por algumas instituições públicas, ou mesmo de bolsas integrais no ensino privado. Esse foi o caso da estudante Elisa Caroline Godoi, 17 anos.

De uma família com baixa renda, ela e a mãe, Michele, entraram no Colégio SESC São José pela primeira vez apenas por curiosidade, e acabaram descobrindo tratar-se de uma instituição destinada exclusivamente a bolsistas. A parceria entre a rede Bom Jesus e o SESC garante gratuidade no Ensino Médio a 833 alunos que comprovem renda familiar de até três salários mínimos. Para 2015 serão abertas 235 novas vagas. A restrição financeira dá mais chances aos candidatos carentes no processo seletivo, que envolve apenas produção de texto.

Elisa admite que não era uma estudante exemplar no ensino fundamental, mas a oportunidade descoberta lhe deu ânimo para alguns meses de estudo intensivo em casa. O esforço foi recompensado com a aprovação. "A situação do meu antigo colégio não era das melhores, e quando eu soube que podia ir para uma escola particular sem ter de pagar mensalidade, resolvi que era hora de me desenvolver", diz.

Para dar conta do ensino "puxado" que ocorre no período da manhã, a estudante passa as tardes na Biblioteca Pública do Paraná, onde revisa o conteúdo do dia e faz as tarefas. Só à noite volta para a casa, no bairro Cachoeira.

IFPR

Alunos de baixa renda também levam vantagem no Instituto Federal do Paraná (IFPR). A instituição oferece oito cursos técnicos integrados ao Ensino Médio e reserva 45% de suas vagas para estudantes que tenham feito todo o Ensino Fundamental em escolas públicas. Metade das vagas ainda é restrita a candidatos que tenham renda bruta familiar mensal igual ou inferior a 1,5 salário mínimo per capita.

Segundo o diretor de Ensino Médio e Técnico do IFPR, professor Evandro Cherubini Rolin, os alunos comentam que buscaram uma vaga na instituição para evitar após verem as dificuldades financeiras dos pais. "Isso os estimula a buscar uma formação capaz de mudar a realidade da família."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]