i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Caso Gafanhoto

Carlos Simões não paga fiança e segue preso

  • PorRodrigo Batista, especial para a Gazeta do Povo, e Heliberton Cesca
  • 31/01/2012 21:15

O ex-deputado estadual Car­­­los Simões não conseguiu pa­­gar a fiança de R$ 93,3 mil estabelecida pela Justiça e deve permanecer preso. Ele está detido desde a última quinta-feira no Centro de Triagem II, em Piraquara, na Região Me­­­tropolitana de Curitiba, depois que a Justiça não conseguiu encontrá-lo nos endereços citados em uma ação penal de pe­­culato a que ele responde, o que atrasou o processo.

"Houve problemas por causa do horário bancário", disse o advogado de Simões, Rodrigo Maistrovicz Lichtenfels. Segindo ele, o pagamento será feito hoje.

A fiança foi estabelecida on­­­tem pela 9.ª Vara Criminal de Curitiba. O valor a ser pago é o equivalente a 150 salários mí­­­nimos (R$ 622). Além do pagamento de fiança, o ex-deputado terá de comparecer todo mês à Justiça.

Simões está sendo investigado em um processo do caso que ficou conhecido como esquema gafanhoto da Assem­­­bleia Legislativa do Paraná. O ex-deputado é acusado de peculato (desvio de bens ou dinheiropúblico realizado por servidor ou agente político).

O caso

O esquema gafanhoto funcionou entre 2001 e 2004 na Assembleia e contava com a participação de funcionários de deputados, que autorizavam que seus salários fossem depositados em apenas uma conta. Em alguns casos, o titular da conta era o próprio parlamentar ou parente dele e os funcionários que recebiam o salário, em algumas situações, não trabalhavam na Assem­­bleia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.