i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
críticas

Centrais sindicais são "aparelhos do PT", diz presidente do PSDB

Manifesto elaborado por centrais sindicais acusa Serra de "impostura " e "golpe contras os trabalhadores"

  • PorAgência Estado
  • 12/07/2010 15:53

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), rebateu nesta segunda-feira (12) críticas das centrais sindicais ao candidato tucano à sucessão presidencial, José Serra. O PT divulgou no sábado um manifesto elaborado por cinco centrais que acusa o tucano de "impostura" e "golpe contra os trabalhadores" por se dizer autor de iniciativas trabalhistas como a criação do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e do seguro-desemprego. O presidenciável tucano apresentou-se em programas partidárias de aliados, que foram ao ar na TV, como criador das iniciativas.

"Quando as centrais falam de política, elas são evidentemente palanques, aparelhos do PT. É o PT falando", afirmou Guerra, ao chegar no comitê de Serra, na capital paulista, onde se reúne com a coordenação de campanha. Para o presidente do PSDB, o documento elaborado pelas centrais é "parcial" e sem fundamento, mas não surpreende os tucanos. "Não há novidade nenhuma. Surpreendente seria se as centrais sindicais dessem uma palavra a favor de Serra", criticou. "Isso é uma ação defensiva da campanha da Lula, quer dizer, da Dilma (Rousseff). Que, na falta do que fazer, fala isso", disse o tucano, confundindo o nome da candidata do PT à sucessão presidencial com o do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Questionado se reiterava essas credenciais de Serra, Guerra respondeu: "O Serra ajudou em tudo isso. E muito. Eu não estava no Congresso (quando Serra legislou em favor das medidas), mas logo em seguida eu cheguei lá", disse o tucano. "Serra teve um papel relevante em vários assuntos na questão sindical e sempre de forma positiva. Eu tenho depoimentos de muita gente, do meio sindical, que diz isso."

Guerra desafiou ainda os dirigentes sindicais a mostrarem o que Dilma fez pelos trabalhadores. "Eles estão apoiando a Dilma por quê? Quando, onde, em que circunstâncias, em que momento Dilma deu apoio à luta dos trabalhadores? Eu nunca ouvi falar e tenho certeza de que ninguém ouviu falar, nem as centrais sindicais."

No documento divulgado pelo PT na internet, o grupo de cinco centrais sindicais (CUT, Força Sindical, CTB, CGTB e Nova Central) nega que Serra seja autor tanto do FAT quanto do seguro-desemprego. De acordo com as centrais, o seguro-desemprego foi criado pelo decreto presidencial número 2.284, de 10 de março de 1986, assinado pelo então presidente José Sarney. Já o FAT foi criado pelo Projeto de Lei número 991, de 1988, de autoria do deputado Jorge Uequed (PMDB-RS).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.