Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Olho vivo

Correlação 1

O presidente do Tribunal de Contas, Artagão de Mattos Leão, manda avisar que não é de sua iniciativa o processo que restringe a transparência dos atos internos da instituição quanto a salários e vantagens de seus servidores. Foi o sindicato que congrega os seus 700 funcionários que requereu que não mais seja tão aberta ao público a relação de nomes e respectivos proventos. No mínimo, pede o sindicato, que, para acessar a relação, os interessados obedeçam a uma liturgia de identificação. Isto é, que obtenham senha, registrem seus CPFs e RGs e cumpram outras exigências da espécie.

Correlação 2

Informalmente, a razão alegada pelo sindicato é a correlação que faz entre a transparência e a criminalidade. Explicando melhor: os funcionários supõem que sete assaltos que sofreram nos últimos meses se devem ao suposto conhecimento prévio que os criminosos teriam dos salários das vítimas. Ou seja, os assaltantes conferiram a lista no site do TC para saber quem deveriam assaltar... A cúpula do Tribunal ainda não decidiu se vai deferir o requerimento.

Na defesa

A igreja do Evangelho Quadrangular contratou o legendário goleiro Jairo, que defendeu o Coritiba nos seus áureos tempos, para atuar fora dos gramados oficiais. Ele agora dá aulas de futebol a garotos da região metropolitana de Curitiba. Embora não se negue a participar da política e a disputar eleições, a igreja prefere um outro tipo de atuação, diz o pastor Irineu Rodrigues, líder da congregação no Paraná. Campanhas de doação de sangue e de comportamento no trânsito são duas das atividades que desenvolve nas comunidades em que mantém templos.

Uma semana após sacramentado o resultado das eleições no Paraná, duas questões permanecem no ar. O que acontecerá com Roberto Requião e Gleisi Hoffmann, e qual o resultado positivo para o Paraná com a acachapante vitória de Beto Richa?

No primeiro quesito, o desmanche explícito de Requião na tevê pode ter explicações na elaboração de um programa ruim com um programa de governo pior ainda. Ficou entre um cover do Requião do passado e um démodé político. Parecia o japonês que veio para o Brasil sem saber falar português e desaprendeu o japonês. Aos órfãos de campanha só restou encaminharem o currículo para Requião Filho – na prática a única grande conquista pessoal de Requião pai – que assume a Assembleia em janeiro.

Quanto a Gleisi Hoffmann, a desidratação de votos é um sinal de que o PT não é mesmo um partido simpático aos paranaenses. Sem falar no dito conservadorismo do nosso eleitorado, o partido perdeu espaço junto a intelectuais e artistas, e a extrema esquerda já flerta com outras siglas. Falar em mensalão e Petrobras frente à classe média é como mostrar uma cruz para o vampiro Drácula.

Não se pode esquecer, porém, que Gleisi e Requião continuam senadores. Dois generais distantes do front e com diminutos exércitos. O que farão? Buscar forças para 2018? Atuar na eleição municipal de 2016? Certamente não curtirão a aposentadoria política. É como se os cargos tivessem uma espécie de fator previdenciário. Quanto mais tempo nos cargos, melhor. Uma coisa é certa: a posição futura dos dois senadores passa pelo resultado – ainda carregado de incógnitas – da disputa de Dilma contra o Aécio.

No outro lado da trincheira, a vitória foi muito grande, mas o vitorioso ficou com dívidas de gratidão igualmente aos 17 partidos que juntou em sua aliança. Com tanta gente, só sobrará o garfo e o prato de plástico do bolo da vitória.

A escolha do secretariado será feita com a mesma dose de dramaticidade do filme a Escolha de Sofia. Pelo menos quatro correntes olham com apetite as maiores fatias. O campeão de votos Ratinho Júnior, os chegados a Ricardo Barros, os agregados a Valdir Rossoni, e a turma que frequenta a casa do governador reeleito têm a preferência. Tem ainda a lista do deputado Rubens Bueno, presidente do PPS, e outros mais ou menos prestigiados. Valerá a frase bíblica de que muitos serão indicados e poucos (proporcionalmente!) os escolhidos.

A vitória de Richa no plano estadual e, de modo particular, em Curitiba também terá reflexos na eleição de 2016, quando a prefeitura da capital estará outra vez em disputa. No momento, Gustavo Fruet, que se aliou ao PT em 2012 e, em troca, apoiou Gleisi em 2014, permanece formalmente na oposição a Beto Richa. Mas sabe que terá dificuldades para se reeleger se se mantiver no campo oposto. Vai daí que uma reaproximação com o reino tucano não está fora de suas cogitações.

Dê sua opiniãoO que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]