i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Celso Nascimento

De que vale esta lei?

  • Porcelso@gazetadopovo.com.br
  • 27/07/2013 21:16

Olho vivo

Pesquisa 1

Poucas semanas após o cataclismo das grandes manifestações populares de junho, o Instituto Paraná Pesquisas, a pedido desta Gazeta, foi às ruas para medir os abalos que, entre os curitibanos, teriam sofrido as principais lideranças políticas locais – o prefeito Gustavo Fruet e o governador do estado.

Pesquisa 2

No caso do prefeito Gustavo Fruet o abalo foi considerável: de abril para julho seu índice de aprovação caiu 11 pontos porcentuais (arredondados), de 66% para 55%. Claro, a desaprovação cresceu proporcionalmente: subiu de 27% para 39% no mesmo período.

Pesquisa 3

Também é grande o desconhecimento dos curitibanos sobre o que Gustavo Fruet fez nesses quase sete meses à frente da prefeitura: 44,5% dos entrevistados não conseguiram se lembrar de "alguma obra, medida administrativa ou benefício à população" que tenha levado sua marca durante o período.

Pesquisa 4

Para alguns experts em leitura de pesquisas, no entanto, Fruet, embora não tenha saído ileso, ainda não tem muitos motivos para chorar, já que a diferença entre os índices atuais de aprovação (55%) e de desaprovação (39%), lhe confere um "saldo" positivo de 16%.

Pesquisa 5

Em relação ao governador do estado, o Paraná Pesquisas indica que desde a última sondagem, de dezembro do ano passado, a aprovação dos curitibanos à sua gestão baixou de 71% para 53% – uma perda de 18 pontos. Já a desaprovação subiu de 24% para 43% – 19 pontos a mais. Seguindo o mesmo critério, o "saldo" positivo em favor do governador é de 10 pontos, menor, portanto, do que o atribuído a Fruet.

O CNJ não proibiu o Tribunal de Justiça de repassar para o Executivo os recursos acumulados em depósitos judiciais privados? A resposta é sim, como amplamente foi noticiado desde a noite de quinta-feira, praticamente a partir do mesmo instante em que a Assembleia aprovava o projeto que autorizava a operação.

Pois não é que o governador e seus assessores não sabiam disso? Tanto não "sabiam" que na mesma noite de quinta-feira da aprovação da lei pelo Legislativo, ela não só foi sancionada como também publicada no Diário Oficial, com a data do dia 25 de julho. Como se previa, tudo estava mesmo planejado para que se desse um "fato consumado".

O Tribunal de Justiça era o destinatário da liminar obtida pela OAB no CNJ, e seu presidente, desembargador Clayton Camargo, foi notificado da decisão na tarde de sexta-feira. A liminar é clara: ele está proibido de fazer repasses ao Executivo de quaisquer valores referentes a depósitos judiciais privados. Portanto, está impedido de firmar o convênio previsto na lei para abrir ao governo as burras dos depósitos, calculadas em R$ 2,1 bilhões (30% dos R$ 7 bilhões existentes).

Logo, a publicação da lei em Diário Oficial seria inócua, como entende o presidente da OAB-PR, Juliano Breda. Entretanto, o governador – que não é parte da decisão do CNJ – avisou que vai recorrer. Para a imprensa, disse uma meia-verdade: se outros estados podem va­ler-se de lei igual, por que não também o Paraná?

Talvez mal informado por sua assessoria jurídica, o governador parece desconhecer que nos outros estados onde há lei parecida – no Rio de Janeiro, por exemplo, que aprovou uma em junho passado – 25% dos depósitos judiciais só podem ser aplicados para pagamento de precatórios, diferentemente do que pretende o governo paranaense, que imagina usá-los para obras e serviços. É nesse ponto que está a clara inconstitucionalidade da lei que ele sancionou.

Nenhum outro estado conseguiu convencer os tribunais superiores a botar a mão em depósitos judiciais privados para uso diverso do resgate de precatórios. Mas o governador do Paraná, a Assembleia e o TJ acreditam que passarão por cima desse obstáculo. É ver para crer.

Agora, digamos que, hipoteticamente, a lei venha a ser reconhecida como válida. Isso, na prática, abrirá para o governo uma linha de crédito de R$ 2,1 bilhões, sobre o qual terá de pagar juros e encargos anuais que beiram a 20% – um empréstimo que sairia proporcionalmente mais caro do que o chorado caso da dívida do Banestado, de R$ 9 bilhões, pela qual o Paraná arca com R$ 900 milhões de juros ao ano. Ao pegar o montante que lhe estaria disponível em depósitos judiciais, o governo despenderia R$ 400 milhões por ano em juros e encargos, calcula o deputado Tadeu Veneri (PT).

Além de assessoria jurídica competente, o governador também parece estar precisando de bons assessores financeiros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.