i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Celso Nascimento

Queixoso, Osmar pede mais empenho do PT

  • Porcelso@gazetadopovo.com.br
  • 22/08/2010 21:01

Olho vivo

Boicote?

O candidato ao Senado Ricardo Barros (PP), da coligação de Beto Richa, reclama de suposto boicote que estaria sofrendo em sua campanha. Passou a endereçar reclamações diretamente a Richa e aos coordenadores políticos da aliança, principalmente depois que levantamentos internos passaram a indicar que Gustavo Fruet – o outro candidato a senador do mesmo grupo – já o teria suplantado nos índices de preferência. Uma reunião chegou a ser marcada para ontem à noite para discutir o assunto, mas foi cancelada na última hora a pedido de Beto.

O retorno 1

O ex-ministro do Esporte de Lula Orlando Silva revelou semana passada, em Curitiba, que o governo federal pretende reativar a Universidade do Esporte no Paraná. Associação civil sem fins lucrativos, a universidade é vista como importante instrumento para a formação de atletas brasileiros para disputar a Olimpíada de 2016 que serão realizadas no país.

O retorno 2

A Universidade do Esporte viveu um período de ouro no governo Lerner. Criada e presidida por "Sig" Morgenstein, a instituição foi responsável, por exemplo, pela formação de atletas como a ginasta Daiane Santos. Foi aqui, também, graças a recursos oficiais e de empresas privadas, que Bernardinho se projetou como treinador de vôlei e formou equipes e atletas campões olímpicos, como os que compuseram o Rexona.

Duas novas pesquisas sobre a corrida ao governo estadual devem ser divulgadas nesta semana. Datafolha e Ibope já estão medindo os reflexos da primeira semana da campanha massificada via horários gratuitos de rádio e televisão. Antes desse período, Beto Richa distanciava-se do oponente Osmar Dias por diferença que já chegava a dois dígitos. A propaganda eletrônica já teria sido capaz de alterar este quadro, de modo a aumentar ou diminuir a diferença ou, até mesmo, a inverter as posições?O fato de antes do horário gratuito vir se ampliando, pesquisa após pesquisa, sua diferença negativa em relação ao adversário, fazia com que Osmar apostasse suas fichas na reversão dos índices, sobretudo no poder de convencimento da televisão. Por meio da tevê, propôs-se a projetar a imagem de um político sério, de poucos sorrisos, mas conhecedor profundo das realidades paranaenses e administrador de comprovada competência num setor vital para a economia estadual, o da agropecuária. Tudo em contraposição ao que se supõe seja a imagem que o adversário Beto Richa projeta – homem urbano, aristocrata e pouco afeito aos problemas do campo.

Osmar Dias ainda não tem segurança de que tal estratégia lhe tenha trazido benefícios – mas já sabe que ela, por mais eficaz, não basta. É preciso empenho, muito empenho, dos políticos e militantes em geral que se dispuseram a fazer parte da aliança partidária que sustenta sua candidatura.

Mesmo utilizando-se de linguagem diplomática, não consegue mais esconder uma queixa: o PT, um dos partidos que compõem sua coligação e o que mais esforço fez para disputasse o governo para dar palanque a Dilma Roussef no Paraná, não está lhe dando suficiente apoio.

Ele deixou claro este sentimento no último sábado, em Londrina, quanto participou da inauguração de comitê de uma candidata petista local. Osmar aproveitou a ocasião para apelar para que a militância petista abrace sua campanha, lembrando que o inverso é verdadeiro: "Só sei dar um abraço por inteiro. Abracei a política do presidente Lula desde que o PDT foi para a base do governo. Quando Lula me pediu para ser candidato, para representar no Paraná o projeto de continuidade das políticas sociais, a única coisa que pedi foi que o PT me abraçasse por inteiro, me apoiasse."

Pelo jeito, Osmar não estaria percebendo reciprocidade à altura do compromisso que firmou: "Faltam 40 dias para as eleições – disse – e preciso que vocês abracem minha candidatura, pedindo votos de casa em casa, multiplicando os pedidos de votos para os companheiros, amigos e familiares". Afirmações que só ganham sentido se o candidato não tivesse sido tomado pela percepção de que o PT e os petistas da base não estão fazendo o que haviam prometido.

Se, por um lado, se sente abandonado pelas bases petistas, Osmar também não sentiu efeitos positivos quanto à suposta transferência de prestígio e votos que Lula e Dilma proporcionariam à própria campanha. Enquanto a presidenciável dispara nas pesquisas, antevendo-se uma decisão já no primeiro turno, as pesquisas para o governo do Paraná traçam uma curva em sentido oposto para o aliado Osmar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.