012316

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Colunistas
  4. Celso Nascimento
  5. Volta, Curitiba! Ou uma história para se jogar no lixo
Celso Nascimento

Celso Nascimento + VER MAIS COLUNISTAS

celso nascimento

Volta, Curitiba! Ou uma história para se jogar no lixo

 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Volta, Curitiba! Este foi um dos principais motes da campanha de Rafael Greca para a prefeitura de Curitiba. Explorou o justo sentimento dos eleitores de que a cidade tinha sido melhor no passado e que, portanto, com ele no comando, o que era bom seria reconquistado para gáudio de todos. O apelo foi inteligente, “pegou”, e Greca ganhou a eleição.

Embora não tenha sido o fator determinante da vitória – houve também golpes baixos contra adversários –, a população foi alimentada pela expectativa de que Curitiba voltaria a ser tão boa quanto no passado – uma cidade preocupada com a inovação, com jeitos novos que a recolocassem no rumo da modernidade.

LEIA TAMBÉM: Richa quer se recuperar em Curitiba: dá a Greca dinheiro para asfalto, restaurantes, saúde...

Curitiba ficou famosa e se tornou modelo mundial quando, há já quase 40 anos, adotou um invejável e eficiente sistema de transporte público, apenas para citar um exemplo. Este sistema, salvo por algumas ampliações ditadas pelo crescimento da cidade, continua basicamente o mesmo e mostra sinais claros de que está muito próximo da obsolescência. Não são apenas ônibus novos que vão mudar o que, tecnologicamente, já se tornou velho e ultrapassado.

Mas este não é o ponto que nos leva a discutir o mote “volta, Curitiba” colocado por Greca na campanha. Há outro tão preocupante quanto – a questão do lixo, esta sim, como vem sendo tratada pela atual administração uma verdadeira e literal volta para o passado. Um passado que já pode ser igualmente contado em décadas.

É dos tempos de Jaime Lerner prefeito na década de 1980 que foi introduzida a única grande inovação, com a criação do programa “Lixo que não é lixo”. Curitiba foi a primeira cidade brasileira a criar um sistema de separação e de reaproveitamento de materiais recicláveis, uma riqueza que até então tinha como destino os aterros sanitários.

Basicamente, porém, a coleta e disposição final do lixo eram feitas como sempre: caminhões passando de casa em casa para recolher o lixo doméstico para levá-lo a longas distâncias para os aterros – primeiro o da Lamenha Pequena, depois para o Caximba. Milhões eram gastos com as empresas contratadas para prestar esse serviço. E o que a prefeitura recolhia da população como “taxa de coleta” nunca foi suficiente para cobrir a despesa.

De Lerner para seu sucessor Rafael Greca na década de 1990 houve uma única mudança: a antiga empresa de coleta, a Lipater, foi substituída pela Cavo. E só. Os prefeitos seguintes mantiveram a Cavo, que sempre ganhava as licitações. Até hoje!

Na gestão de Beto Richa houve uma tentativa de “modernização”. Montou-se uma licitação internacional para a implantação de um sistema de industrialização do lixo, ao qual deram o nome de Sipar. Um consórcio integrado pelos municípios da região metropolitana é que promovia a licitação.

Megalômana e bilionária, a concorrência tinha tudo para não dar certo, o que faria com que a Cavo, outra vez, se mantivesse dona do serviço. E, de fato, não deu outra coisa: barrada por inúmeras e insolúveis questões judiciais, a licitação se arrastou até o início do mandato de Gustavo Fruet, quando acabou cancelada. E a Cavo, como se previa, manteve-se “proprietária” de uma rubrica orçamentária da prefeitura da ordem de R$ 200 milhões por ano.

Para quê? Para fazer a mesma coisa que já se fazia desde o século passado – lotar caminhões de lixo e levá-lo a 50 quilômetros de distância, no município de Fazenda Rio Grande, onde a empresa Estre (que comprou a Cavo) mantém o aterro que substituiu o esgotado e problemático Caximba.

Fruet tentou fazer diferente. Contratou um estudo de uma organização associada ao Banco Mundial, que propôs soluções que, se não eram ideais quanto à destinação final das 2.500 toneladas que Curitiba produz de dejetos por dia, eram, pelo menos, mais ecológicas e mais econômicas.

O edital de licitação estava quase pronto para ser lançado quando, já eleito mas ainda não empossado, Greca pediu a Fruet que cancelasse a concorrência. Ele queria estudar seus termos e, eventualmente, propor novas fórmulas. Enquanto isso, claro, como a cidade não pode ficar sem a limpeza pública, a Cavo/Estre continuam dominando o pedaço.

As duas empresas (que na verdade são uma só) viram de camarote a prefeitura fazer um novo edital de licitação já nos primeiros meses da gestão de Greca. Um edital “tradicional”, muito parecido com todos os anteriores vencidos pelas mesmas Cavo/Estre.

A Justiça deu liminar para que a concorrência não se realizasse em razão de impugnações quanto às estranhas exigências contidas no edital. Enquanto a Justiça não resolve – e a prefeitura não demonstra pressa – Cavo/Estre continuam se valendo de contratos emergenciais. Ponto pra elas.

O edital previa, por exemplo, que para participar da concorrência, as empresas interessadas deveriam ter prontos e alocados em Curitiba todos os apetrechos necessários para prestar o serviço. Isto é: ter 2 mil caminhões parados, áreas de destinação final do lixo etc.

Como no mundo real não há empresa ou empresário que queira manter uma estrutura deste tamanho apenas sonhando em ganhar a licitação, pareceu claro a muitos que a intenção era que – surpresa! – Cavo/Estre sagrassem-se novamente vencedoras.

Exemplo pronto e acabado de que a promessa de fazer Curitiba voltar no tempo está sendo religiosamente cumprida num setor em que o mundo está décadas à frente.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>