Nos corredores

De novo em fevereiro

Após a reunião da bancada estadual do PMDB com o vice-pre­sidente Michel Temer, na última quarta-feira, apenas uma decisão foi tomada: todos voltam a se encontrar de novo no Palácio Jaburu em fevereiro. Na próxima, a expectativa é contar com a presença dos deputados federais e senadores do partido.

15 segundos

No jantar com Temer, todos os convidados tiveram direito a falar antes do vice-presidente. O mais breve foi o deputado estadual Stephanes Júnior. Ele disse que gastou 15 segundos para explicar que a bancada do partido vai ser reduzida pela metade se Roberto Requião for o candidato a governador.

Nem aí...

Um dia depois do encontro no Jaburu, Requião divulgou uma agenda de candidato a ser percorrida pelo interior do Paraná no último fim de semana. O senador viajou para Foz do Iguaçu para conversar com lideranças peemedebistas de 24 cidades do Sudoeste.

Três "pês" unem as trajetórias de Nelson Mandela, Lula e Hugo Chávez – política, prisão e poder. Todos foram presos por regimes que combateram, construíram um discurso social que arrebatou multidões e chegaram à presidência de seus países. Mas, como em tudo na vida, há líderes e líderes – e legados e legados deixados por eles.

Faz quatro dias que Mandela morreu e possivelmente quase tudo o que deveria ser dito sobre o sul-africano já foi dito. Como descreveu a Folha de S. Paulo em editorial na sexta-feira, foi-se um "líder acima do bem e do mal". Não há mais o que acrescentar.

Na comparação com a dupla do primeiro parágrafo, Mandela foi o que ficou mais tempo na cadeia (27 anos) e menos tempo no poder (cinco anos). Chávez teve dois anos de cárcere e 14 anos de presidência. Lula permaneceu 31 dias preso e oito anos no Palácio do Planalto.

Madiba cumpriu apenas um mandato (1994-1999) e, administrativamente falando, não foi lá essas coisas. No período, a África do Sul cresceu 2,7% ao ano, enquanto ao longo de 2000 a 2010 o índice subiu para 3,9%. O pior dado foi a queda de quatro posições no ranking mundial do Índice de Desenvolvimento Humano, de 90º para 94º.

Os números poderiam ser catastróficos que ainda assim Mandela teria todo desconto do mundo – não seria fácil para qualquer pessoa do planeta gerenciar uma nação recém-saída do apartheid. Estamos falando de um mito. E ponto.

O problema são as lendas que sucedem os mitos. Na África do Sul, o Congresso Nacional Africano (CNA), partido dele, mantém-se no poder até hoje. Lá se vão quase duas décadas seguidas de governo do CNA e uma lista enorme de "ismos": nepotismo, clientelismo, patrimonialismo. Além do enraizamento da corrupção.

Ainda existe o embate com a imprensa livre, essa golpista. Qualquer semelhança não é uma mera coincidência com outros tantos lugares que vivem à sombra de líderes populares. Como na Venezuela e no Brasil.

Na Venezuela do sucessor de Hugo Chávez, Nicolás Maduro, há crise no abastecimento até de papel higiênico, a inflação é suspensa por decreto e o apagão que se espalhou pelo país na quarta-feira passada foi apontado, é óbvio, como sabotagem da oposição. Sem contar que Maduro tem a cara dura de dizer que vê o fantasma de Chávez.

No Brasil, um julgamento promovido pela maior instância judiciária do país colocou na cadeia o presidente do PT e principal ministro do governo à época do primeiro mandato de Lula. Claro, só pode ser golpe. Assim como faltam aplausos para a recente revisão do crescimento do PIB do ano passado, de 0,9% para 1%.

Não precisa ser muito esperto para entender que a trajetória da humanidade é e sempre foi conduzida por grandes líderes. Mandela talvez seja um dos raros que vai entrar para o hall dos inquestionáveis, como Gandhi. Outros tantos, mesmo sendo peças-chave da História, acabam se dividindo entre a importância e o folclore.

A questão é que nenhum grande líder é igual a outro, mas o que eles com certeza têm em comum é a presença de um enorme séquito disposto a herdar o seu poder. A cópia é sempre mais imperfeita que o original. Feliz da nação que consegue seguir em frente diante da sombra de seus grandes personagens.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]