i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Funcionalismo

Comissão do Congresso aprova reajuste para servidores

Substitutivo retirou do texto da MP trecho que provocaria problemas na remuneração dos médicos, com perdas de até 50%

  • PorAgência O Globo
  • 13/06/2012 16:54

A Comissão Mista do Congresso aprovou, nesta quarta-feira (13), a medida provisória (MP) 568/2012, que reajusta salários de 30 categorias de servidores públicos, mas que provocaria problemas na remuneração dos médicos, com perdas de até 50%. Depois da pressão dos médicos de hospitais federais, que ameaçavam fazer uma greve nacional, o governo retirou essa parte do texto. A MP precisa ser votada agora nos plenários da Câmara e do Senado.

Relator da medida provisória e líder do governo, o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) apresentou uma emenda acabando com as modificações propostas pelo Ministério do Planejamento sobre os vencimentos da categoria e criando tabelas de remuneração exclusivas para a carreira médica.

Depois que foi resolvido o problema das perdas salariais, os médicos ensaiaram, por meio do DEM, obstruir a votação da medida provisória para reivindicar aumento salarial, mas não houve acordo e eles recuaram. O governo se comprometeu a discutir o assunto no futuro.

"Não poderíamos incluir aumento salarial na medida provisória porque seria inconstitucional. O Congresso não pode criar despesas para o Executivo", afirmou Braga.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.