Votação da LDO na Assembleia teve fortes protestos de servidores públicos estaduais | Hugo Harada/Gazeta do Povo/Arquivo
Votação da LDO na Assembleia teve fortes protestos de servidores públicos estaduais| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo/Arquivo

Chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017 aprovada na Assembleia Legislativa do e que, a pedido do governo do Paraná, incluiu a suspensão do pagamento de um reajuste prometido aos servidores estaduais. A legislação foi aprovada pelos deputados em meio a uma guerra de liminares no final de novembro de 2016.

O autor da ADI é a Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol), que argumenta na ação que a suspensão viola o direito “líquido e certo” dos servidores do Executivo ao reajuste. A reposição da inflação de 2016, além de um adicional de 1%, estava garantida em lei, aprovada em 2015 para acabar com uma greve dos servidores públicos. Na ocasião do envio da LDO deste ano à Assembleia, entretanto, o governador do estado, Beto Richa (PSDB), disse não ter caixa para honrar o compromisso e, ao mesmo tempo, pagar promoções e progressões de carreira para os servidores, por isso optou pela suspensão.

Além de alegar a violação do direito dos servidores do Executivo, a Cobrapol também argumenta que a suspensão do reajuste cria tratamento diferenciado em relação aos demais Poderes do estado. Outro argumento é que, antes de ser alterada, a Lei 18.493/2015, que previu a reposição da inflação de 2016, acrescida de 1%, aos funcionários do Executivo, já estava produzindo efeitos, e que sua revogação representa “ofensa ao princípio da irretroatividade e da segurança jurídica”.

Em sua argumentação, a confederação de policiais civis também cita jurisprudência do próprio STF, que, ao julgar uma ADI semelhante, considerou que havia direito adquirido a reajustes previstos em lei para servidores do Tocantins.

Por sorteio, o processo terá como relator o ministro Luiz Fux. No entanto, por causa das férias coletivas dos ministros da Corte, o caso só deve ser analisado a partir de fevereiro.

Outro lado

O governo do Paraná informou que a análise da LDO 2017 seguiu o rito legal na Assembleia Legislativa e que a legislação aprovada em novembro do ano passado está constitucionalmente amparada.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]