Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

mensalão

Costa Neto recebeu dinheiro do PT para gastos de campanha

Defesa do deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP), que era presidente do PL quando o mensalão veio à tona, negou a existência de um esquema para comprar votos

  • Gazeta do Povo, com Agência Brasil
  • Atualizado em às
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Supremo Tribunal Federal (STF) já ouviu metade das defesas dos 38 réus do mensalão e começou, nesta sexta-feira (10), a etapa final da exposição dos advogados, prevista para terminar na próxima quarta-feira (15). Na próxima segunda-feira (13), a sessão será retomada a partir das 14h40. Na ocasião, o Supremo segue ouvindo a defesa de outros réus do mensalão.

Relembre o mensalão e entenda como funciona o julgamento

Saiba quais são as possíveis consequências políticas do julgamento

Relembre os paranaenses envolvidos e os que investigaram o esquema

Nesta sexta-feira, foram defendidos os dois últimos réus ligados ao PP: Breno Fischberg, sócio-proprietário da corretora Bônus-Banval; e Carlos Alberto Quaglia, dono da empresa Natimar. Ambos são acusados de usar as empresas para lavar dinheiro ilícito do mensalão para o PP. Fischberg, através de seu advogado, negou vínculo com Marcos Valério. Leia mais. Já o defensor de Quaglia, disse que seu cliente não sabia que recursos eram usados para lavar dinheiro. Ele pediu ainda a anulação do processo do mensalão. Veja a matéria completa.

O outro sócio da corretora Bônus-Banval, Enivaldo Quadrado, foi defendido na quinta-feira (9) pelo advogado Antonio Pitombo. Os três empresários respondem por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

O julgamento prosseguiu com as defesas do núcleo do PL (atual PR), iniciada com as alegações a favor do deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP). Ele era presidente do partido quando o mensalão veio à tona e foi reeleito deputado, em 2006 e em 2010. Hoje, Costa Neto é secretário-geral da legenda. Segundo o Ministério Público, ele recebeu dinheiro ilegal do publicitário Marcos Valério para apoiar votações importantes do governo, além de montar um esquema para dissimular o recebimento das verbas. O parlamentar responde pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O advogado Marcelo Luiz Ávila de Bessa admitiu durante a sustentação oral em defesa de Costa Neto que o parlamentar recebeu dinheiro do PT para quitar despesas da campanha eleitoral de 2002. Leia o texto completo. O deputado responde pelos crimes formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No entanto, a defesa do deputado negou que tenha havido compra de votos, e sim um acordo eleitoral.

Tesoureiro

As últimas defesas do dia foram dos irmãos Jacinto e Antônio Lamas. Jacinto era tesoureiro do PL e, segundo a acusação, recebeu valores ilícitos em nome de Valdemar Costa Neto, além de participar do contrato de fachada com a empresa Garanhuns para dissimular os repasses ao partido. Ele responde pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Antônio Lamas assessorava a liderança do PL na Câmara dos Deputados e é acusado de participar do esquema de repasse ilegal de dinheiro ao partido, realizando um saque a favor do presidente da legenda. Nas alegações finais, o Ministério Público Federal pediu a absolvição de Lamas dos crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro por falta de provas. Segundo o advogado Délio Fortes Lins e Silva, que defendeu Antonio Lamas, o MPF errou ao denunciar o ex-assessor do PL. Saiba mais.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE