i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
investigação

CPI da Petrobras realiza sessão em Curitiba; acompanhe

Na oitiva, o doleiro Youssef repetiu informações que havia dado em delação premiada e que era impossível que o Planalto não soubesse do esquema. Outros três depoentes escolheram não falar

  • PorGazeta do Povo, com informações de Kelli Kadanus e Katna Baran
  • 11/05/2015 08:57
Nesta segunda, CPI é realizada no auditório da Justiça Federal, em Curitiba. | Jonathan Campos /Gazeta do Povo
Nesta segunda, CPI é realizada no auditório da Justiça Federal, em Curitiba.| Foto: Jonathan Campos /Gazeta do Povo

O doleiro Alberto Youssef voltou a afirmar, em depoimento à CPI da Petrobras, em Curitiba nesta segunda-feira, que o Planalto sabia do esquema de corrupção na Petrobras. Questionado pelos deputados se confirmava um depoimento anterior no qual citou nomes como o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff, ele confirmou. No entanto, negou que houvesse uma coordenação do Planalto no esquema.

Mario Goes, Nestor Cerveró e Fernando Soares ficaram em silêncio na sessão.

De acordo com Youssef, era impossível que o Planalto não soubesse do esquema. “Não digo que havia uma coordenação, mas eu acredito que eles tinham conhecimento, no meu entendimento, do que acontecia”, disse. Ele negou que fosse o mentor do esquema. “Com certeza, eu não era o líder dessa organização criminosa. Isso começou lá atrás, quando Paulo Roberto Costa foi posto como diretor da Petrobras. Eu fui engrenagem. No primeiro momento, o líder era o (ex-deputado morto José) Janene. Quem nomeia é o Planalto”, afirmou. Ele falou também que políticos de vários partidos foram beneficiados pelo esquema.

Mário Goes, acusado de ser operador do esquema, compareceu à sessão, mas escolheu ficar em silêncio e não respondeu às perguntas dos parlamentares. “Permaneço em silêncio, conforme já informado”, foi o que mais se ouviu de Goes na sessão da CPI dessa segunda-feira. Ele interrompeu o silêncio apenas para informar a idade, estado civil e número de filhos.

O ex-diretor da área Internacional da Petrobras, acusado de atuar a mando do PMDB, Nestor Cerveró começou a participar da oitiva por volta das 14h30. Cerveró disse que por orientação de seus advogados, não vai responder às perguntas dos parlamentares da CPI. “A Constituição está me negando meu direito de permanecer em liberdade”, justifica o ex-diretor.

Fernando Soares afirma que também vai ficar em silêncio durante a oitiva.

Audiências

As audiências foram combinadas entre os parlamentares integrantes da comissão e o juiz federal Sergio Moro, que conduz as investigações, no mês passado. Serão 14 dos 37 deputados membros da CPI que participarão das atividades na capital, que vão ocorrer no auditório da Justiça Federal, no bairro Ahú.

A sessão deve contar com o depoimento de sete pessoas, entre elas o doleiro Alberto Youssef, o ex-diretor Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, e representantes de empreiteiras.

Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Obrigado pela audiência.

Encerramos a transmissão do primeiro dia de depoimentos da CPI da Petrobras em Curitiba. Obrigado pela audiência. Até amanhã. Boa noite!

Encerramento

Depois do depoimento de Iara, deputados encerram o primeiro dia de oitivas em Curitiba.

Considerações finais

"A brecha do sistema é a corretora", diz Iara nas considerações finais, ressaltando que sem as corretoras a corrupção e a lavagem de dinheiro não são possíveis.

Encerramento

Com o fim do depoimento, o primeiro dia de sessões da CPI da Petrobras em Curitiba vai se encerrando.

Recebimento

Iara Galdino que recebia entre R$ 15 e R$ 20 mil por mês pela participação no esquema.

"Foram eles"

"O meu crime era abrir as empresas e abrir as contas, quem era responsável pelas operações era Lucas Pacce e Carlos Augusto Dias", diz Iara.

"Não tinha condições"

"Eu não sou o braço direito da Nelma [Kodama], porque eu nem teria condições pra isso", diz Iara.

Terceiro escalão

"Eu nunca peguei uma nota de dólar ou de euro nas mãos", afirma a depoente, que considera sua condenação injusta, já que seria apenas o terceiro "escalão" do esquema ligado a doleira Nelma Kodama.

Corretora

"O problema esta na raiz do sistema: na corretora. Sem ela, nada seria feito", afirma Iara.

Estranheza

"Me causa estranheza", diz o deputado relator da CPI Luiz Sergio (PT-RJ) sobre o fato de Iara Galdino ter sido condenada sem que o Ministério Público Federal abrisse a possibilidade de ela firmar algum acordo de colaboração.

Envolvimento pequeno

"Tenho minha culpabilidade na questão de abertura de empresas e nos registros nas corretoras, mas não sou culpada pela evasão de divisas", diz Iara. Ela afirma que nunca imaginou ser condenada a 12 anos de prisão, já que teria um envolvimento menor no esquema.

Delação

"Expliquei para o juiz que eu não entendia nada de câmbio, apenas era procuradora das empresas", afirma Iara. Ela diz ainda que quer fazer acordo de delação premiada, pois, segundo ela, foi condenada injustamente. Conforme ela conta, quem foi responsável por todos os serviços de câmbio das empresas foi Lucas Pacce.

Injustiçada

A depoente diz que nunca soube que as empresas serviam para políticos receberam dinheiro desviado da Petrobras, por isso ela se sente injustiçada.

Não conhecia

Iara afirma que abriu sete empresas de fachada para passa-las a Lucas Pacce, mas que nunca soube para quem serviam as aberturas. Ela utilizava nomes de laranjas para abrir os negócios e atuava como procuradora das empresas.

Braço

"Eu não era funcionaria da Nelma, mas sim um braço do Lucas Pacce", diz Iara. Ela confirma que era responsável por operar empresas de fachada em um dos braços do esquema.

Operacional

Iara explica que trabalhava com a doleira Nelma Kodama, mas que não conhecia seus clientes, apenas foi responsável por abrir empresas de fachada e trabalhos operacionais.

Ultimo depoimento

Começa agora o depoimento de Iara Galdino, ultima dos presos a falar hoje na CPI da Petrobras.

Calado

...assim como o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, apontado como operador do esquema na Petrobras junto ao PMDB.

Outros depoentes

Mais cedo o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró também permaneceu em silêncio...

Quieto

O empresário Adir Assad não responde a nenhum questionamento dos deputados membros da CPI.

Silêncio

Depois do relator da CPI fazer os questionamentos ao empresário Adir Assad, outros parlamentares fazem perguntas. O réu, porém, permanece calado.

Calado

Da mesma forma que Esteves, Assad também avisa que não irá responder aos questionamentos dos parlamentares.

Encerrado

O empresário Guilherme Esteves finaliza seu depoimento na CPI sem prestar qualquer esclarecimento aos deputados. Agora, o empresário Adir Assad senta na cadeira aos depoentes.

Silêncio absoluto

Deputado Ivan Valente (PSOL-SP) continua os questionamentos direcionados ao empresário Guilherme Esteves, mas, a cada pergunta, ele responde: "vou permanecer em silêncio"

Denúncia

O empresario Guilherme Esteves é acusado de ser um dos operadores do esquema na Petrobras.

Silêncio

Começa o depoimento de Guilherme Esteves de Jesus, mas, já nas considerações iniciais, ele diz que vai permanecer em silencio.

Colaboração

"O seu silêncio vale muito porque também significa muito para dar respostas a esta Comissão", afirma a deputada Eliziane Gama (PPS-MA).

Perguntas continuam

Os deputados continuam fazendo questionamrntos, principalmente sobre as denuncias de que Fernando Baiano seria o operador do PMDB no esquema da Petrobras. Ele, porém, continua em silencio.

Silêncio

Fernando Baiano não responde a nenhuma pergunta dos deputados. Mesmo aos questionamentos mais simples, ele sempre repete "recorro ao direito de permanecer em silêncio".

Longa

"O senhor seguramente terá uma condenação bastante longa", diz Onyx Lorenzoni (DEM) a Fernando Baiano, tentando convencê-lo a falar.

Confusão

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM) continua suas considerações e fala sobre os benefícios de uma possível delação premiada de Fernando Baiano e os ânimos se exaltam novamente na sessão da CPI. Advogado do réu e deputados discutem por vários minutos.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Medo de morrer

"Senho Fernando Baiano, o senhor tem medo de morrer? É por isso que vai ficar quieto?", pergunta o deputado Onyx Lorenzoni (DEM).
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Piadinha

O deputado Mário Covas (PSDB) diz que já que Baiano não vai falar, "também me mantenho no direito constitucional de não perguntar".
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Silêncio

Fernando Soares afirma que também vai ficar em silêncio durante a oitiva.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Baiano

Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, chega escoltado pela PF e acompanhado de seus advogados.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Inocência

Antônio Embassahy pergunta se Cerveró se considera inocente, "Dentro da minha linha de defesa, não vou responder", diz. Alguns deputados riem da resposta.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Liberado

Cerveró é liberado pelo presidente da CPI Hugo Motta (PMDB). O próximo a ser ouvido é Fernando Soares.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Relacionamento com o PT

Perondi pede que Cerveró detalhe seu relacionamento com políticos do PT. O ex-diretor não responde. "O senhor me desculpe, mas vou permanecer em silêncio", diz. "O povo brasileiro não lhe desculpa", rebate o deputado.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Darcísio Perondi (PMDB) tem a palavra nesse momento.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Artimanha

O deputado Delegado Waldir (PSDB) afirma que confia na Justiça brasileira e que o habeas corpus concedido à executivos foi uma 'artimanha'.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Delação premiada

Delegado Waldir (PSDB) questiona se Cerveró fará delação premiada. Ele não responde.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Delegado Waldir (PSDB) pergunta se Cerveró considera razoável que Dilma continue delegando as responsabilidades da compra de Pasadena à ele. Ele permanece em silêncio.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Celso Pansera (PMDB) é quem tem a palavra agora. Ele pergunta se Cerveró teve alguma participação na venda de ativos da Petrobras na África ou se ele teve participação na criação da Setebrasil. O ex-diretor não responde a nenhum questionamento.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Julio Delgado (PSB) faz suas perguntas, mas Cerveró não responde aos questionamentos do parlamentar.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Ivan Valente (PSOL) é quem tem a palavra agora.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Acusação

"O senhor Nestor Cerveró está com seus bens indisponíveis, de tão honesto que é", diz Lorenzoni.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Culpa no cartório

Deputado Onyx Lorenzoni (DEM) diz que nunca viu um investigado inocente optar pelo silêncio em uma CPI.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
"Só essa pergunta deixa claro que vossa senhoria mente descaradamente para todos", diz Izalci.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Apartamento

Deputado Izalci (PSDB) pergunta se Cerveró pagava o aluguel de um apartamento em Ipanema, onde morou por cinco anos. O deputado ressalta que, na CPMI, o ex-diretor afirmou pagar R$ 7 mil por mês. Já ao juiz federal Sérgio Moro, Cerveró disse que não pagava o aluguel. O réu opta por permanecer em silêncio.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Prisão inconstitucional

Agora é a vez de Bruno Covas (PSDB) fazer seus questionamentos. Ele pergunta se Cerveró entende que sua prisão foi inconstitucional. "Sim", responde o réu.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Cortes pergunta ao ex-diretor sobre o relacionamento de Cerveró com Oscar Algorta. Cerveró diz que manterá sua postura de não responder às questões.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Decepção

O deputado Altineu Cortes (PR) diz que o silêncio de Cerveró é uma decepção para a sociedade brasileira.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
O relator da CPI Luiz Sérgio (PT) afirma que não fará as perguntas, já que o réu optou pelo silêncio.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Silêncio

Cerveró diz que por orientação de seus advogados, não vai responder às perguntas dos parlamentares da CPI. "A Constituição está me negando meu direito de permanecer em liberdade", justifica o ex-diretor,
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Considerações iniciais

Cerveró começa suas considerações iniciais. Ele afirma que estava de férias em Londres quando soube da prisão e preferiu retornar ao país para prestar esclarecimentos. Ele ressalta que nunca se negou a prestar esclarecimentos.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Cerveró chega escoltado pela PF e acompanhado de sua advogada. Ele cumprimenta os deputados da mesa e toma seu lugar na mesa.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Ex-diretor

O próximo depoente será o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Liberado

O deputado Hugo Motta (PMDB) libera o réu Mário Goes. O depoimento está encerrado.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Quebra do silêncio

Goes quebra o silêncio para informar sua idade, a pedido do deputado Delegado Waldir (PSDB): 74 anos. Ele também afirma que é casado e tem quatro filhos.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Respeito

A advogada de Goes pede que os deputados respeitem seu cliente,
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Conselho

"Eu o aconselho a trocar o escritório de advocacia. Caso contrário, o senhor será campeão em anos de pena", disse Lorenzoni.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Delação

O deputado Onyx Lorenzoni pergunta se Goes tem interesse em fazer acordo de delação premiada, A resposta foi a mesma que para todos os demais questionamentos. "Como já disse, vou permanecer em silêncio".
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Celso Pansera (PMDB) é quem faz as perguntas agora. Mário Goes permanece cabisbaixo, apenas ouvindo as questões.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Agora é a vez do deputado Julio Delgado (PSB) fazer suas perguntas. Ele ressalta que, apesar dos problemas de saúde de Goes, ele precisa ouvir os questionamentos. "O senhor foi responsável por muita coisa de ruim que a Petrobras está passando", diz Delgado.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Direito Constitucional

"Permaneço em silêncio, conforme já informado". É só o que se ouve de Goes na sessão da CPI dessa segunda-feira (11).
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Ivan Valente (PSOL) lê suas perguntas e Mário Goes, que ressalta seu direito a permanecer em silêncio.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Mais perguntas

Agora é Eliziane Gama (PPS) que faz seus questionamentos a Goes. Ela também questiona o envolvimento do operador com Barusco. Ela pergunta também sobre o relacionamento com o tesoureiro do PT João Vaccari Neto e sobre a compra de uma aeronave que Goes comprou junto com Barusco.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Em silêncio

Goes não responde a nenhum dos questionamentos de Izalci. "Ele pode não falar, mas precisa ouvir muita coisa", diz o parlamentar.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Barusco

O deputado Izalci (PSDB) faz uma série de perguntas a Goes em relação ao relacionamento dele com o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Cabisbaixo

O operador Mário Goes ouve os deputados cabisbaixo. Ele não vai responder a nenhuma pergunta dos parlamentares. O deputado Altineu Cortes escolheu não fazer suas perguntas também.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
O relator da CPI, deputado Luiz Sérgio (PT), diz que não fará suas perguntas, já que Goes vai permanecer calado.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
O relator da CPI, deputado Luiz Sérgio (PT), diz que não fará suas perguntas, já que Goes vai permanecer calado.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Crítica

"Nós estamos aqui para trabalhar", diz o deputado Onyx Lorenzoni (DEM).
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Deputados discutem sobre a dispensa ou não de Mário Goes da CPI da Petrobras.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Discordância

O presidente da CPI Hugo Motta (PMDB) quer dispensar Goes, já que ele escolheu permanecer calado. Outros deputados insistem que as perguntas sejam feitas mesmo assim. "Nós vamos ficar aqui a tarde inteira porque um deputado quer um minuto na televisão para fazer perguntas?", diz Motta.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Silêncio

Mário Goes começa a prestar seu depoimento. Ele tem 20 minutos para suas considerações iniciais. Ele afirma que vai permanecer em silêncio durante a oitiva.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
O deputado Hugo Motta (PMDB) dá início ao depoimento de Mário Goes. Ele poderá ficar em silêncio se desejar.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Deputados conversam antes do início do depoimento de Mário Goes.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Escolta

Youssef deixa o auditório da Justiça Federal escoltado por agentes da Polícia Federal.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Mário Goes

O operador Mário Goes é o próximo a ser ouvido pelos deputados nesta segunda-feira (11). Esse é o segundo depoimento do dia,
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Descupas

O doleiro pede desculpas a sua família "por conta de tudo isso que estamos passando nesse momento". "E para a sociedade brasileira também", diz Youssef.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Operação Abafa

O deputado Ivan Valente (PSOL) pergunta se Youssef operacionalizou recursos da Operação Abafa, do Senado, em 2009. O doleiro nega que tenha operacionalizado e disse apenas que ficou sabendo do repasse de R$ 10 milhões da Queiroz Galvão.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Considerações finais

Youssef começa a fazer suas considerações finais na CPI da Petrobras.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

R$ 220 milhões

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM) pergunta a Youssef o valor que ele acredita ter movimentado no esquema. Youssef responde que entre 2003 e 2005 não operou nada por estar preso. O doleiro estima que tenha operado cerca de R$ 220 milhões no máximo, desde 2006. "Em 2010 foi o mais grosso", disse o doleiro.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Envolvimento do PSDB

Youssef diz que não se lembra de ter feito doações para o PSDB. Mas afirma que algumas empresas realizaram doações oficiais e o valor foi descontado do valor a ser pago em propina.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Vivendo perigosamente

"Vossa senhoria gosta de viver perigosamente", diz o relator da CPI à Youssef, já que o doleiro já foi preso oito vezes, cinco delas por contrabando.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Explicação

Youssef diz que, junto com mais dois investidores, investiu na Labogen para que ela atuasse no mercado farmacêutico.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Labogen

Luiz Sérgio (PT), relator da CPI, retoma as peguntas a Youssef e pergunta a relação do doleiro com o empresário Leonardo Meirelles, dono da Labogen.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Convocações

A deputada reforça a necessidade urgente da convocação de Palocci e Dirceu para a CPI da Petrobras.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Partidos envolvidos

Youssef reforça que operava o esquema para o PP e fez alguns pagamentos pontuais a pedido de Paulo Roberto Costa para o PT e para o PMDB.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Roseana Sarney

Youssef nega que conheça e já tenha tido contato com a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB).
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Eliziane Gama (PPS) faz as perguntas agora.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Novas fases

Delegado Waldir pergunta se falta muita gente para ser presa ainda por envolvimento no esquema. "Acredito que sim", responde Youssef.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
O deputado quer saber quem era o líder do esquema. "Quem nomeava diretores da Petrobras era o Planalto", diz o doleiro.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
"Eu fui uma engrenagem que operacionalizou parte desses recursos para que pudessem chegar às mãos do diretor da Petrobras (Paulo Roberto Costa) e do partido (PP)", afirma Youssef. Ele ressalta novamente que não era o líder do esquema.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Delegado Waldir (PSDB) é quem questiona Youssef agora.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Inconformado

O deputado se diz 'enojado' pelo esquema. "No momento em que se fazia o julgamento do Mensalão, corria de forma paralela e geométrica o esquema do Petrolão", diz.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Perondi pergunta novamente quais são os elementos que fazem Youssef crer que o Palácio do Planalto sabiam do esquema. "Acho que estava desatento, fui tomar um cafezinho", diz. Youssef responde dizendo que ouvia de Paulo Roberto Costa e que, por Paulo Bernardo ser ministro, era improvável que o Planalto não soubesse da corrupção. "Essa é a minha percepção. Provas eu não tenho", completa.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Entrega em domicílio

Youssef diz que os líderes do PP recebiam pagamentos em seus apartamentos funcionais em Brasília.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Assalto

"O governo do PT assaltou o país para se manter no poder por 12 anos", diz o deputado.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Com a palavra, o deputado Darcísio Perondi (PMDB).
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
"É um quadro dramático que o Brasil está vivendo", diz o deputado. Ele só questionou o doleiro sobre o que o leva a acreditar que o Palácio do Planalto tinha conhecimento do esquema.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Antônio Imbassahy faz as perguntas agora.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Fúria

Mendes questiona Youssef sobre um acesso de fúria que o doleiro teve na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, em que chegou a quebrar o vidro do parlatório. Youssef respondeu dizendo se tratar de uma questão pessoal que estava discutindo com o advogado.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Lanchinho

Sem parar para almoçar, alguns deputados dividem barrinhas de cereais no auditório da Justiça Federal durante a sessão da CPI da Petrobras.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Dinheiro

Mário Negromonte, Nelson Meurer e Pizzolatti recebiam recursos nessas reuniões semanais.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Reunião mensal

Youssef diz que se reunia com líderes do PP semanalmente para discutir assuntos relacionados à Petrobras. As reuniões aconteciam em lugares diferentes toda semana. "Às vezes em Brasília, às vezes em São Paulo", esclareceu.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Crachá da Petrobras

Mendes diz que mesmo nunca tendo pisado na Petrobras, Youssef "poderia até pedir um crachá da Petrobras", já que atuava no esquema de corrupção na estatal.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Crachá da Petrobras

Mendes diz que mesmo nunca tendo pisado na Petrobras, Youssef "poderia até pedir um crachá da Petrobras", já que atuava no esquema de corrupção na estatal.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Aluisio Mendes (PSDC) faz perguntas agora e diz que vê "com muito ceticismo" as declarações de Youssef.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Aluisio Mendes (PSDC) faz perguntas agora e diz que vê "com muito ceticismo" as declarações de Youssef.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Sem sobrepreço

Youssef diz que, na sua concepção, não houve superfaturamento nas obras para que as empresas pagassem propina. O doleiro afirma acreditar que o dinheiro da propina era retirado do lucro das empresas.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Recordar é viver...

Youssef diz que quando Jayme Alves foi preso foi conversar com ele para "reviver memórias" sobre os endereços em que realizou entregas de dinheiro. O doleiro nega que tenha dado uma lista a Alves com nomes e endereços dos destinatários dos recursos.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Celso Pansera (PMDB) é quem faz as perguntas agora.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Partidos

Youssef disse que fez uma doação oficial para o candidato Valdir Raupp (PMDB) e outras doações para o PP e seus candidatos.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Doação oficial

O doleiro afirma que realizou algumas doações oficiais de campanha através das empresas envolvidas no esquema. "Por exemplo, Queiroz Galvão tinha que pagar sobre contrato. A meu pedido foram feitas doações oficiais e descontado o dinheiro que teria que pagar em propina", explicou. "Teve doação para o partido, e teve doação direta para candidatos.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Separar o joio do trigo

"Lá nós temos muito joio, na Câmara dos Deputados, mas nós também temos muita gente boa", disse Delgado. Ele diz que é importante que Youssef detalhe quem são os deputados que realmente receberam dinheiro do esquema. Segundo o deputado, é importante separar "o joio do trigo", já que alguns parlamentares estiveram com Youssef em momentos sociais e não sabiam do esquema.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Jantar

No final de 2010, Youssef afirma que a bancada do PP ofereceu um jantar a Paulo Roberto Costa em agradecimento "a tudo que ele fez na campanha", diz Youssef.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Agora é a vez dos questionamentos do deputado Julio Delgado (PSB).
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
"Eu acho que isso é uma coisa sistemática que acontece no país", disse Youssef sobre o esquema.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Nomes do PP

Youssef afirmou que Agnaldo Ribeiro, Ciro Nogueira, Dilceu Sperafico e Eduardo da Fonte, todos do PP, receberam dinheiro do esquema para suas campanhas.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Youssef afirmou que se encontrou pessoalmente com o deputado Arthur de Lira (PP) e com o senador Benedito de Lira (PP) para entregar dinheiro para as campanhas.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Clima de camaradagem

Enquanto o doleiro Alberto Youssef é ouvido na CPI, alguns deputados compartilham uma cuia de chimarrão no auditório da Justiça Federal.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Eduardo Cunha

De acordo com Youssef, ele operacionalizou um pagamento de R$ 6 milhões de Julio Camargo para o presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB). Quem intermediou o pagamento foi Fernando Soares, segundo o doleiro.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
O próximo deputado a fazer perguntas a Youssef é o Ivan Valente (PSOL).
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Contradição

Youssef afirma que não conhece Antônio Palocci e que ele nunca o fez nenhum pedido para que ajudasse na campanha da presidente Dilma Rousseff, ao contrário do que disse o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa,
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Distração

Enquanto a CPI acontece, o deputado Delegado Waldir (PSDB) aproveita para colocar a leitura em dia.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Agora é a vez dos questionamentos do deputado Onyx Lorenzoni (DEM), que começa perguntando sobre a delação firmada no Caso Banestado.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Sem novidades

Até agora, nada de novo no depoimento do doleiro Alberto Youssef. Ele apenas confirmou as informações da delação premiada.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Lula e Dilma

Youssef afirma que, em sua opinião, o ex-presidente Lula e a pesidente Dilma Rousseff sabiam do esquema de corrupção na Petrobras.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Relação com o Mensalão

O doleiro Alberto Youssef afirma acreditar que o esquema da Operação Lava Jato é uma continuação do Mensalão.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Agora é a vez do deputado federal Izalci Lucas Ferreira (PSDB) fazer perguntas a Youssef.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Lula

Segundo Youssef, Paulo Roberto Costa pediu que o doleiro procurasse a empresa Murano Marketing Brasil para repassar pagamentos de cerca de R$ 6 milhões. A ordem de pagamento teria partido do então presidente Lula.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Participação do Planalto

Segundo Youssef, depois de um racha no PP, em 2012, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou ao deputado Nelson Meurer (PP) que o Palácio do Planalto iria indicar o interlocutor do PP a quem Costa deveria se reportar,
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Bruno Covas

O tucano Bruno Covas faz as perguntas a Youssef agora. O doleiro afirma que o Palácio do Planalto tinha conhecimento do esquema. Segundo o réu, o esquema serviu aos interesses do partido.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Raupp

Youssef afirmou que em 2010 realizou uma doação oficial através da empresa Queiroz Galvão para a campanha do senador Valdir Raupp (PMDB).
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Gleisi Hoffman

O doleiro voltou a afirmar que financiou através de caixa dois a campanha de 2010 da senadora Gleisi Hoffmann (PT). Ele afirmou que a entrega do dinheiro foi feita em Curitiba a pedido do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
"Nunca estive na sede da Petrobras", garante Youssef. Ele diz que só esteve pessoalmente com o ex-diretor Paulo Roberto Costa. Em relação ao ex-gerente Pedro Barusco e ao ex-diretor Renato Duque, afirmou que nunca esteve pessoalmente com os dois.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Altineu Cortes afirma que tem a informação de que a conta de Janene controlada por Youssef existe. O doleiro afirma que nunca teve nenhuma procuração para administrar nenhuma conta de Janene no exterior.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Conta no exterior

Respondendo à pergunta de Cortes, Youssef afirma que nunca teve conta conjunta com o ex-deputado José Janene nem com sua esposa no exterior.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Agora é vez do deputado federal Altineu Cortes (PR) destinar perguntas a Youssef.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Arrependimento

"Vossa sehoriia se arrepende de ter quebrado o primeiro acordo de delação premiada?", pergunta o relator da CPI. "Muito", responde Youssef.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Partido Progressista

Mário Negromonte, Pedro Corrêa, Nelson Meurer. Esses foram os parlamentares com quem Youssef tratava o esquema de corrupção no PP após Janene adoecer.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Partido dos Trabalhadores

"Nunca operei com o do PT João Vaccari diretamente. Fiz uma operação para a Toshida, onde a Toshiba disse que o dinheiro era destinado a João Vaccari", disse o doleiro.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Furnas

Youssef diz que operou recursos de do ex-deputado José Janene (morto em 2010) referentes ao esquema de corrupção em Furnas.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Patrimônio escondido

Sobre a acusação do réu Leonardo Meirelles de que Youssef estaria ocultando patrimônio, o doleiro nega que tenha dinheiro escondido. Segundo Youssef, todo seu patrimônio já foi entregue à Justiça.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Transporte

O doleiro afirma que o réu 'Jayme Careca' era responsável por realizar o transporte de dinheiro para Youssef. Entre os destinatários, o doleiro citou as empresas OAS e UTC, e os réus Julio Camargo e Fernando Soares,
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Baiano

Sobre seu relacionamento com o lobista Fernando Soares, Youssef diz que tratava com ele assuntos sobre o esquema na Petrobras,
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Injustiçado

Youssef afirma que quebrou uma parte do acordo ao voltar a operar o mercado de lavagem de dinheiro e operação do mercado ilegal de câmbio, Mesmo assim, diz que se sente injustiçado por perder os benefícios daquela delação.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Luiz Sérgio

O relator da CPI, Luiz Sérgio (PT), é o primeiro a fazer perguntas para o doleiro. Ele começa relembrando o acordo de delação premiada quebrado no Caso Banestado.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
Youssef inicia reforçando que não é o mentor do esquema de corrupção."Fui apenas uma engrenagem", diz.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Com a palavra...

Youssef terá 20 minutos para suas considerações iniciais.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Atraso

Com cerca de 40 minutos de atraso, começou a sessão da CPI da Petrobras em Curitiba
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Doleiro

O doleiro Alberto Youssef é o primeiro a prestar depoimento na CPI. Segundo Motta, Youssef não poderá permanecer em silêncio devido ao acordo de delação premiado firmado com o MPF.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília

Início

O deputado federal Hugo Motta (PMDB) dá início à sessão da CPI da Petrobras, que apura fatos relacionados à Operação Lava Jato. A sessão ocorre no auditório da Justiça Federal de Curitiba.
Kelli Kadanus
Kelli KadanusRepórter em Brasília
O deputado Ivan Valente (PSOL) acaba de chegar para a CPI da Petrobras. Ele afirmou que o objetivo do grupo é esclarecer a participação de parlamentares no esquema.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Preparativos

No saguão da Justiça Federal, público e imprensa, que acompanharão a sessão, aguardam a chegada de deputados, advogados e depoentes, que entram pelo estacionamento da Justiça Federal
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Ouvidos

Serão ouvidos hoje: Alberto Youssef (doleiro, acusado de ser o principal operador financeiro do esquema investigado); Mário Góes (empresário acusado de ser operador); Nestor Cerveró (ex-diretor da área Internacional da Petrobras, acusado de atuar a mando do PMDB); Fernando Soares (empresário acusado de ser operador do PMDB); Guilherme Esteves de Jesus (acusado de ser operador financeiro do estaleiro Jurong); Adir Assad (dono de empresas de terraplanagem); Iara Galdino (apontada como funcionária da doleira Nelma Kodama). Os integrantes da comissão também ouvirão o delegado da Polícia Federal Gerson Machado.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Bom dia

Acompanhe a transmissão em tempo real da sessão da CPI da Petrobras que acontecerá em instantes em Curitiba
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.