i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Petróleo

Dilma participa de festa do contrato do pré-sal

Os presidentes das empresas e os embaixadores dos respectivos países são aguardados na cerimônia nesta segunda

  • PorAgência Estado
  • 01/12/2013 14:49

Depois de autorizar um aumento da gasolina inferior ao esperado pelo mercado, a presidente Dilma Rousseff recebe nesta segunda-feira (2) a presidente da Petrobras, Graça Foster, para a festa de assinatura do contrato de concessão do pré-sal. A estatal arrematou o campo de Libra no dia 21 de outubro, junto com duas sócias chinesas, as estatais CNPC e CNOOC, além da anglo-holandesa Shell e a francesa Total. Os presidentes das empresas e os embaixadores dos respectivos países são aguardados na cerimônia.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, não participará do evento. A agenda oficial prevê que ele passará o dia em São Paulo. Mas assessores negam que ele esteja evitando Graça, com quem travou uma queda de braço nos últimos dias por causa do critério automático de reajuste dos combustíveis. Eles lembram que eles estiveram juntos duas vezes na semana passada.

A solenidade, porém, será prestigiada por ministros como Aloizio Mercadante, da Educação, e Antônio Henrique Silveira, dos Portos e o de Minas e Energia, Edison Lobão. A pasta da Educação deverá ser uma das principais beneficiadas pelos recursos a serem arrecadados com a exploração do pré-sal.

A Petrobras defendia a adoção de um critério de correção para os preços dos combustíveis. Isso provocou uma disputa nos bastidores do governo, pois o ministro Mantega considerava que a proposta era uma forma de indexação. Na sexta-feira, 29, a estatal foi autorizada a elevar a gasolina em 4%. No mercado, o esperado era algo na casa dos 6%. Por isso, o reajuste não causou surpresa entre os analistas, que preveem pouco impacto na inflação e, por consequência, nos juros.

Foi aprovada também uma política de preços que só foi divulgada em linhas gerais: fazer com que o endividamento e a alavancagem retornem aos níveis previstos no plano de negócios da empresa num prazo de 24 meses, numa combinação de crescimento da produção e de reajustes como o autorizado; fazer com que os preços no Brasil alcancem as referências internacionais "em prazo compatível" e não repassar ao consumidor doméstico a volatilidade de preços internacionais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.