Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

planalto

Dilma une quatro pastas e cria o Ministério da Cidadania

  • Da Redação com Folhapress
Dilma Rousseff começou a desenha a nova formação ministerial. | Ueslei Marcelino/Reuters
Dilma Rousseff começou a desenha a nova formação ministerial. Ueslei Marcelino/Reuters
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A presidente Dilma Rousseff decidiu nesta quinta-feira (24) reunir quatro pastas – Mulheres, Igualdade Racial, Direitos Humanos e Secretaria-Geral – em uma sé e criou o Ministério da Cidadania. A nova área será comandada por Miguel Rossetto, atualmente ministro da Secretaria-Geral da Presidência. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

Para evitar qualquer tipo de constrangimento ou reclamações, Dilma irá se reunir com os movimentos sociais, uma sugestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para explicar a medida.

Dilma se reuniu nesta manhã com os atuais titulares das pastas – Eleonora Menicucci (Mulheres), Pepe Vargas (Direitos Humanos) e Nilma Gomes (Igualdade Racial), além do próprio Rossetto – para dar detalhes da medida.

Depois disso, se encontrou com o vice-presidente Michel Temer para desenhar o espaço do PMDB na nova configuração da Esplanada. O peemedebista chegou no final desta manhã ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, e deve viajar a São Paulo ainda nesta quinta-feira (24).

O Palácio do Planalto tem encontrado dificuldades para acomodar os ministros aliados do vice-presidente. Para solucionar o impasse, a presidente considera abandonar a fusão entre Aviação Civil e Portos e manter o ministro Eliseu Padilha.

O outro ministério foi oferecido à bancada do partido na Câmara dos Deputados, mas o governo federal avalia utilizá-lo para acomodar, a pedido do vice-presidente, o ministro Helder Barbalho (Pesca), cuja pasta deve ser extinta na nova configuração ministerial. Na bancada peemedebista, o nome mais cotado para o posto é o de Celso Pansera (PMDB-RJ), apontado por Alberto Youssef como “pau-mandado” do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. A petista também desistiu de extinguir Turismo para manter no cargo o ministro peemedebista Henrique Eduardo Alves.

Em um aceno ao mercado, ela também avalia manter o ministro Armando Monteiro (Desenvolvimento), que criticou recentemente as medidas do pacote fiscal que diminuem os repasses ao Sistema S e reduzem a alíquota de abatimento do Reintegra. A pasta chegou a ser oferecida ao PMDB do Senado Federal, que a recusou e passou a reivindicar a Integração Nacional.

Em uma tentativa de estancar a crise política, a presidente prometeu entregar cinco ministérios ao PMDB, entre eles o da Saúde para garantir o apoio da sigla a seu governo e evitar que dissidentes apoiem o impeachment de Dilma na Câmara dos Deputados.

A avaliação do Palácio do Planalto, no entanto, é de que o aceno ao PMDB dá fôlego momentâneo ao governo federal, mas não afasta a possibilidade de ser aberto um processo de afastamento da petista.

Com as indefinições, a tendência é de que a reforma administrativa seja anunciada apenas na semana que vem, quando a presidente retornará dos Estados Unidos.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE